quinta-feira, 3 de novembro de 2011

#OcupaRio :: Você já está sabendo do que se trata?

por Fernando Gasparini · via OVERMUNDO · 30/10/2011 · 8 · 1 · Rio de Janeiro, RJ

“Não somos mercadoria.” Sim, isso eu já sabia, mas não pude constatar ao certo o porquê dessa frase, escrita em garranchos num cartaz pregado na Praça da Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, ter me tomado naquele domingo à tarde com tanto fascínio, a ponto de eu estar aqui, agora, ecoando o que minha memória não quer esquecer.

Não foi um encantamento estético – uma estesia – nem tampouco uma provocação reflexiva em torno de algo novo para mim. Eu, acostumado a ir ao teatro e a ler poesias. Eu, acostumado, e talvez um tanto viciado, a contemplar as mais variadas pirotecnias estetizóides e os mais complexos pensamentos filosóficos.

Para ser preciso, devo dizer que as lágrimas vieram aos olhos antes mesmo de elaborar qualquer argumento. Aquilo me pegou antes de mim e sinceramente me emocionou (não seria a emoção manifesta uma explosão de sinceridade?).

Aquilo me emocionou. Sim, eu não sou uma mercadoria! Eu não posso ser visto pelas pessoas como um valor agregado à minha força de trabalho. Eu não posso estabelecer trocas baseadas prioritariamente em interesses econômicos. Definitivamente, não somos mercadoria.

Havia uma boa centena de pessoas na praça, e muitas delas escrevendo cartazes, alguns fazendo música, alguns dançando, e alguns grupos de trabalho em que eram divididos assuntos de interesse da comunidade instalada ali. Desde o dia 22 de outubro, jovens, boa parte estudantes, estão acampados. Barracas estão espalhadas. Uma mesa grande foi improvisada, com comida, frutas e biscoitos, para quem quiser se servir.

Mas contra o que eles estão protestando?, ouvi de uma senhorinha que ousara se aproximar. Vejo outro cartaz: “Acredite! Existe vida após o capitalismo”. E outro (citação de Che Guevara): “O verdadeiro revolucionário é movido por grandes sentimentos de amor”. Mais outro: “O Capitalismo é a Crise”.

O nome do movimento é “Ocupa Rio”, e é difícil delinear com precisão do que se trata. Se por um lado, há um tônus político (“Belo Monte de Mentiras” era mais um cartaz; “FMI – Fome & Miséria Internacional”, mais um), por outro percebe-se a penetração do campo artístico e poético no debate: “Só uso arma para transformar em arte e só uso arte para transformar em arma.” E nada mais poético e político que um imenso cartaz com umas letras garranchadas dos versos emblemáticos de Castro Alves: “A praça é do povo como o céu é do condor.”

A sobrevivência e a convivência na praça são administradas por grupos de trabalho, chamados de GT. Assim, há o GT da Alimentação, o GT da Comunicação, o GT Teórico e o GT Jurídico, entre outros. Uma fórmula de gestão de trabalho em que todos têm direito a opinar e cuja decisão é sancionada pelo voto em assembleia. Há assembleias diárias. Pude acompanhar o GT Jurídico informando às pessoas acerca de uma nova peça judicial autorizando a polícia a retirar as barracas da praça. Discutia-se as formas de resistência.

De inspiração pacificista, o movimento parece ter influência anarquista e na desobediência civil de Gandhi e Thoreau. Consta que Michael Hardt e Antonio Negri, autores de “Império”, sejam outros inspiradores.

Como não há microfones, os oradores falam e o público repete, numa técnica bastante utilizada por grandes líderes ao longo da história. O procedimento é bastante eficiente (só tinha visto isso em filmes) e, ao requerer mais concentração entre quem fala e quem ouve, provoca uma espécie de transe, no ritmo que se estabelece entre a fala do orador e a repetição pelos demais. Há também alguns gestuais que são compartilhados e que facilitam a comunicação com as pequenas massas que se ajuntam.

Não poderia sair dali sem deixar registrado também o meu grito. Mas aonde conseguir cartazes, tinta, fita adesiva? Compro amanhã numa papelaria e aqui volto. Não. Sentia uma urgência do agora. Comecei a procurar pedaços de papel no chão, quando vi algumas cartolinas amontoadas numa barraca. Posso pegar uma?, indaguei. Não precisa pedir, um menino me respondeu. Aqui tudo é de todo mundo, ele completou.

Pronto! Sem me dar conta já estava sentado no chão, papel e pincel na mão, a desenhar os meus dizeres, um poema que me acompanha desde há alguns anos, de Waldo Motta: “MUNDO CÃO / OSSO DA ALEGRIA / ÚNICA RAÇÃO”. Esses versos sintetizam a minha ideia de felicidade como uma busca política e ao mesmo tempo uma busca poética, com propósito de fissurar as palavras, quebrá-las (no sentido artaudiano) como se fossem objetos concretos e forjar novos sentidos.

Posteriormente, ao chegar em casa, de frente ao computador, pesquisando sobre o assunto na internet, outra surpresa: o movimento é extremamente articulado na comunicação virtual.

A estratégia é relativamente simples – uso de blog (http://www.ocupario.org/) e perfis e grupos de discussão em redes sociais como facebook e twitter. O diferencial está na rapidez e na transparência em que as informações são transmitidas, de forma clara, direta, poética, fragmentada. E mais, através do site http://www.livestream.com/occupy_rio_brazil é possível acompanhar ao vivo as assembleias e oficinas ministradas na praça. Ou seja, quem quiser entrar no “clima” do evento e saber o que está ocorrendo em “tempo real”, é só acessar.

A ideia parece ser essa mesmo: aproveitar o barateamento das tecnologias midiáticas e utilizá-las massificadamente na internet. A escolha de uma praça central também cumpre o objetivo de atrair o interesse dos transeuntes. Durante o dia, os manifestantes conversaram com os donos dos estabelecimentos comerciais ao redor e têm buscado sensibilizar inclusive os policiais.

Trata-se de uma ação interligada mundialmente chamada Global Revolution. São os mesmos manifestantes que lotaram as praças em Madrid, Nova Iorque, Chicago, Porto Rico, e outros. No Brasil, há ocupações no Rio de Janeiro e São Paulo.

O movimento se autointitula horizontal e apartidário. Visa a ocupação permanente da Cinelândia (na praça de Wall Street, eles estão lá há mais de um mês). Não há líder, ninguém fala pelo coletivo, cada um tem a sua própria reivindicação.

“A casa caiu, levante sua barraca” é o slogan do evento. No perfil do twitter, outras informações fragmentadas: “Atividades e ideias rolando livremente na Cinelândia. Tá lindo! Venham passar a noite dessa segunda aqui com a gente”, diz uma mensagem. Outra: “é o 3º dia de acampamento! Momentos inesquecíveis até agora e que estamos fazendo acontecer! Cada indignado, uma conquista”. E mais outra: “Nova semana começando, e depois de tudo que vivemos nesses últimos dias, não deixe que o comodismo perpetue! Revolucione-se! Venha ocupar”.

Algumas mensagens impressionam pela singeleza, como: “vai almoçar no centro do Rio? Passe no acampamento e registre o seu apoio, faça um cartaz, converse com os acampados, sorria! Ocupe!”. São frases rápidas e sintéticas que buscam sensibilizar de imediato o espectador, despertá-lo para a indignação e provocar mobilização.

Vejamos a força de comunicação que a poética pode nos oferecer.

Aqui a poesia das frases curtas e grosseiras (numa espécie de estética ao avesso) funciona como transmissão de conhecimento. A poesia como ferramenta teórica de conhecimento é um assunto que ainda pretendo abordar mais pra frente.

Em meio a tantos fragmentos, encontrei no grupo de discussão do facebook um texto que apresenta com mais clareza e profundidade os desígnios desse projeto. É a “Carta da Humanidade”, lançada em Santiago, Chile, em 07 de outubro de 2011. A força argumentativa impressiona. Transcrevo abaixo alguns trechos:

Nós, indivíduos da espécie humana, que, no exercício de nosso livre arbítrio, assinamos este documento: “A CARTA DA HUMANIDADE”, declaramos não mais reconhecer a autoridade de nenhuma instituição sobre nós e proclamamos a nossa soberania sobre nós mesmos.

E, já, como soberanos de nós mesmos, realizamos o nosso primeiro ato de soberania: assumimos, entre nós, assinantes deste documento, o compromisso de apoiar-nos, mutuamente, a fim de cumprir com o nosso maior propósito existencial: a felicidade, e convidamos a todos, que ainda não o assinaram, a juntar-se a nós nesta autêntica declaração de independência em relação a todo e qualquer mecanismo de coerção da liberdade humana, onde [sic] manifestamos nosso repúdio permanente à dúvida sobre nosso próprio potencial, ao ódio, ao individualismo, à escravidão, à desigualdade, à não-fraternidade e à injustiça.

É no bojo desse pensamento que surge a iniciativa da ocupação, chamada de “Comunidade Livre” ou “Comunidade dos Livres”:

Este compromisso de apoio mútuo se formaliza na constituição da Comunidade Livre, a comunidade dos livres, para que, através dela, em espírito de cooperação, possamos materializar todas as condições necessárias para a criação e manutenção de um ambiente que, em sua totalidade, seja favorável à nossa felicidade, ou seja, ao nosso pleno desenvolvimento espiritual, familiar, social, científico, econômico, cultural e político.

Tendo por objetivos fundamentais a auto-realização existencial, o bem comum e o estabelecimento do diálogo como único meio para a resolução pacífica de todo e qualquer conflito e tendo por valores fundamentais a fé em nosso próprio potencial, o amor, a solidariedade, a liberdade, a igualdade, a fraternidade e a justiça, a principal ação da Comunidade Livre será ocupar, regularmente, de forma pacífica, o principal espaço público de cada cidade onde estiver presente, para desenvolver, de forma auto-gestionada, as seguintes iniciativas: a Universidade Livre, a Cooperativa Livre, o Centro Cultural Livre e o Fórum Livre, registrando-as e difundindo-as por meios de comunicação próprios, a fim de conscientizar a humanidade de que deve assumir a responsabilidade de decidir livremente sobre seu próprio destino, não delegando mais este poder aos Estados Nacionais, que estiveram, estão e estarão, enquanto existirem, ao serviço dos interesses das grandes corporações e não ao bem-estar dos povos que, teoricamente, por eles são representados.

A Universidade Livre é efetivada a partir de um encontro semanal, com o propósito de “organizar o livre intercâmbio de conhecimentos, de maneira libertária, na sua máxima expressão”. Por isso, considera que “todos somos pensadores livres aptos a receber, processar e compartilhar, construindo, assim, permanentemente, de forma colaborativa, o conhecimento útil à comunidade, sobre o que é real, bom, persuasivo, verdadeiro, eficiente, belo e justo”.

Conforme a carta, o movimento não reconhece a legitimidade do uso da violência por parte de nenhuma instituição, porém se reserva o direito de auto-defesa. O manifesto informa ainda que não tem intenção de oferecer uma resposta a todos os problemas da humanidade, nem tampouco dizer qual é a sua forma de organização perfeita. Entretanto, defende que “a resposta para todos os problemas da humanidade está dentro de nós mesmos”. É nesse aspecto que a articulação política ganha uma dimensão introspectiva, psicanalítica ou mesmo espiritual, uma vez que o fazer político, quando pautado por uma ética, buscaria o equilíbrio entre a ação externa e a reverberação interior.

O texto é enfático: “já nos consideramos livres de toda e qualquer tirania, pois não reconhecemos mais o seu poder”.

Não queremos impor um novo modo de vida a ninguém, apenas, não queremos mais que imponham a nós este modo de vida de dúvida sobre nossas próprias capacidades, de ódio, de individualismo, de escravidão, de desigualdade, de não-fraternidade e de injustiça que é o capitalismo, nos reconhecemos, desde já, como livres para construir o modo de vida queremos para nós, quem quiser seguir vivendo baixo a tirania dos Estados Nacionais e das grandes corporações que siga, mas exigimos respeito a nossa livre decisão de sermos livres.

A certeza do sucesso desse empreendimento está no final utópico da carta:

Este momento histórico será lembrado nos livros de história como A REVOLUÇÃO DOS 99%, A REVOLUÇÃO GLOBAL, A REVOLUÇÃO POPULAR, A REVOLUÇÃO CULTURAL DA DÉCADA DE 10, A QUEDA DO CAPITALISMO, QUEDA DOS ESTADOS NACIONAIS, PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DA HUMANIDADE, FUNDAÇÃO DA COMUNIDADE LIVRE DA HUMANIDADE OU QUALQUER OUTRO NOME LEGAL... O nome não importa! O que importa é que será lembrada como a revolução que, definitivamente, libertou a humanidade da tirania dos Estados Nacionais e das grandes corporações, revolução onde os protagonistas foram todos nós.

A transgressão ao poder econômico instituído é uma das marcas das ações políticas de vanguarda, e creio que o potencial transformador desse atual movimento está na aceitação da arte como ferramenta e na busca pela felicidade como norteadora do espírito humano. Perceba que a felicidade é alavancada como primeiro item na teia de proclamações da Carta da Humanidade. E não é por menos. Senão vejamos.

Fonte:
Artigo reproduzido livrevente, fiel ao original que é disponibilizado em CC em:

Fotos: Ronald Sanson Stresser Junior / Cartaz de divulgação do Ocupa Rio

4 comentários:

Walter disse...

Caro amigo,

Você escreve muitas coisas legais e critica vários pontos que certamente nos afastam do que realmente importa.

Mas uma coisa me intrigou: Porque tantos banners de mega e-commerces em seu blog? Como pretende criticar o consumo e o apego material no qual estamos imergidos incentivando a compra de produtos através de banners? Ainda mais que conhecendo o mercado online, sei que ganha por venda! Isso torna você diferente do que critica?

Vamos olhar para nós mesmos antes de cobrar o mundo! O reino de Deus (independente do seu entendimento Dele) e todo o conhecimento que precisa está dentro de cada homem e nas buscas do seu caminho através das virtudes.

O melhor governo é o que menos governa e o teremos quando estivermos individualmente prontos!

Grande abraço!

Walter

Anônimo disse...

Walter,

Se você me der uma fórmula mágica ou me apresentar um mecenas que torne o blog sustentável sem o uso de programas de afiliados, aí o papo muda de tom, do contrário suas palavras não me convenceram.

Não sou contra o capitalismo, sou contra lucros abusivos, especulação imobiliária e financeira, injustiça social, falta de sistema de educação, saúde sustentáveis, de boa qualidade e gratuitos para quem não pode pagar.

Sou a favor da taxação de grandes fortunas e não sou hipócrita ou muito menos ingênuo.

1% detém o controle sobre o capital e sobre o poder instituído. Cerca de 70 mil pessoas que mandam em 7 bilhões de outras pessoas.

Tem gente que ingenuamente se deixa levar e planta desentendimento e discórdia, sonhando intima e perversamente que um dia pode fazer parte deste 1%, que na verdade detém o poder hpa séculos, passando-o de pai para filho.

Somos todos 99%, inclusive estes parceiros dos programas de afiliados. O 1% está acima e nem os vemos nas ruas, estão sempre em seus helicópteros, aviões e iates particulares mandando comprar e vender por telefone...

Entretanto acho sua observação válida, a mudança começa de dentro pra fora e não ao inverso. Que tal rasgar o jornal, desligar a TV, tirar o rádio da tomada e vir pra Cinelândia acampar?

Ainda cabe esclarecer que este blog é particular, não tem a intenção ou pretensão de nada, apenas informar o que a velha mídia não informa, desprogramar, abrir e libertar a mente de que estiver disposto.

Acho que os - em média - 30 reais que ganho por mês aqui com estes anúncios não são nenhuma fortuna se comparados ao 1 trilhão e 300 bilhões que giram todos os dias no cassino global.

Sem medo, sem dar ouvido às intrigas, seguimos em frente, de cabeça erguida, pois chuviscos não molham e um dia o Sol da Liberdade há de brilhar para todos.

Abrax

Ronald

Walter disse...

Oi Ronald,

100% entendido o que disse, apenas 2 pontos:

1 - Para mudar o mundo não podemos utilizar dos mesmos meios que os que hoje governam fazem, pois isso nos torna incoerentes e até atrapalha o alcançe de nosso objetivo. Por mais que você movimente 30 reais por mês, você é parte fundamental da roda do lucro. Cada afiliado vendendo 30 reais por mês é que fazem o Walmart ganhar parte de seu lucro e possibilitar novos projetos satânicos (rs) e aumentar ainda mais seus ganhos, escravizando crianças na áfrica e etc... (vc sabe..).

2- O capitalismo que você não é contra é utópico e depende de valores individuais. Vou te passar uma leitura (que acredito já ter conhecimento) sobre Adam Smith, pai disso tudo que vivemos hj, economicamente falando. http://pt.wikipedia.org/wiki/Adam_Smith

Atente para os 2 principais livros que ele escreveu. O primeiro (Riqueza das Nações) é a bíblia do Neoliberalismo! Usado até hoje nas escolas e faculdades... Porém para isso funcionar, era preciso uma parte humana que ele fala em (Teoria dos Sentimentos Morais).

Intrigas entre nós jamais! Isso os globalistas já causam o tempo todo e pelo menos muitas pessoas já percebem que estão no mesmo saco e que brigar não leva a nada!

Entendendo isso e mais alguns pontos (concenso de Washington é legal tb) você entende que hoje é impossível o capitalismo funcionar da maneira proposta inicialmente por Adam Smith e ainda idealizada por nós!

Vamos crescer individualmente porque a mudança é assim, da gente pro mundo!

Não vejo TV, leio jornal ou ouço rádio. Busco meu conhecimento em leituras que chegam a mim através de pessoas como você, amigos, família e por aí vai!

Agradeço a troca!

Abs,

Walter

Anônimo disse...

Também agradeço Walter.

Valeu!

Abraço / Ronald