domingo, 30 de setembro de 2012

Não nos representam


sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Vídeos :: Zeitgeist e Zeitgeist Addendum

A seqüência, Zeitgeist: Adendo estreou no 5 º Festival Anual de Cinema Artivista em Los Angeles, Califórnia, em 2 de outubro de 2008. Debruça-se sobre "a verdadeira fonte de instabilidade na nossa sociedade, ao mesmo tempo que oferece a única fundamental solução a longo prazo.





Zeitgeist - Espírito do tempo (termo alemão que exprime o avanço intelectual e cultural do mundo numa época). Zeitgeist apresenta fatos novos ou desconhecidos do público em geral, que comprometem a forma como entendemos o "mundo". Dividido em 3 partes, abrange os temas:

 - As I e II grandes guerras, causas e interesses;

 - A religião católica e os mitos que a originaram; 

 - Catástrofes económicas e a reserva federal.

terça-feira, 10 de julho de 2012

pulso.DOC :: A história da obsolescência programada [legendado]

A temática é quanto ao papel que a indústria tem em fabricar coisas não duráveis, para que se quebrem e compremos outras. O documentário traz provas dessa prática, e demonstra o quão nefasta ela tem sido, tanto para a própria economia quanto para o planeta. Comprar, jogar fora, comprar...

O documentário The Light Bulb Conspiracy (A conspiração da lâmpada) de Cosima Dannoritzer 2011, com o título em português de Comprar, jogar fora, comprar: A história da obsolescência programada evidencia a prática da obsolescência programada (ou planejada) como o motor da sociedade de consumo, onde desde os anos de 1920 fabricantes começaram a diminuir a vida útil dos produtos para aumentar as vendas.

Provavelmente, a solução para a sociedade de consumo de crescimento está longe de apenas, pequenas adaptações ditas mais ecológicas e sustentáveis, como muitas empresas tem proposto, e sim numa mudança mais radical ao invés de um crescimento um decrescimento, uma verdadeira mudança de lógica, reduzindo o consumo e a produção, aumentando apenas o sentido de nossas próprias existências.



fonte: youtube e ea crítica

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Sex Pistols - There'll Always Be An England



Featuring Sex Pistols at Brixton Academy, November 2007. Filmed by Julien Temple.

Este filme ímpar celebra um marco na história musical das lendas do punk, Sex Pistols.

Trinta anos após o lançamento do álbum revolucionário never mind the bollocks, membros originais da banda John Lydon, Steve Jones, Paul Cook e Glen Matlock sobem ao palco da Brixton Academy de Londres para comemorarem o seu controverso e influente álbum de estreia. Realizado por Julien Temple (The Great Rocke Roll Swindle)

There’ll Always Be An England inclui actuações impressionantes de todos os clássicos da banda.



sexta-feira, 29 de junho de 2012

Forme opinião, seja você a sua própria mídia




Informe-se sobre a situação do mundo hoje, não feche seus olhos e ouvidos para as coisas que não se encaixam com o mundinho açucarado do consumismo agradável. O mundo real é similar ao que mostram para você em superproduções midiáticas, é assim para te confundir, mas a realidade pouco ou nada tem a ver com estes produtos. O monomito se repete desde a Grécia antiga...

Quando buscar entretenimento, busque interatividade, experimente ler um livro, um texto e formar você mesm@ as imagens em sua mente. Liberte-se dos padrões de consumo insustentável e de conteúdo que ao invés de te acrescentar alguma coisa apenas quer te vender algo. Para que viver em um mundo de sombras se tudo é luz?

Saia da caverna, a luz está brilhado lá fora!

Na questão da informação, editores simplesmente vetam conteúdo que não é de interesse comercial que seja divulgado, criando uma realidade clipada apenas com temas que considerem relevantes ao clima desejado. Quem se atém apenas ao clipes de notícia divulgados por veículos comerciais pode não perceber a repetição da notícia de pouca importância, enquanto assuntos de interesse público são descartados.

Torne-se bem informad@ sobre assuntos importantes, seja um recurso intelectual valioso para a sua família e para sua comunidade. Não rejeite informação apenas porque ela eventualmente pode fazer você se sentir desconfortável. Leia mais, estude, pesquise, fuce na internet atrás do conhecimento e dos fatos. Desafie seus próprios pensamentos, forme sua própria rede de informação, sua própria agencia de notícias, sua própria opinião.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

#OcupaRio :: Os 10 dias de #OCUPAdosPOVOS :: Vídeos



Entre 14 e 23 de junho, a Ocupa dos Povos criou um território livre do controle público e privado da cidade. Um território de experimentação.

Nesses 10 dias, levantamos as barracas tomados de uma indignação que não podia caber na Rio + 20 ou na Cúpula dos Povos.

Ativistas da Ocupa Rio, Ocupa Sampa, Ocupa BH, Ocupa Salvador, Ocupa Porto Alegre, Ocupa Belém, punks, poetas de rua, hippies, índios, ciganos e outros grupos acamparam ao lado da Praça Paris, (http://goo.gl/maps/jU8N) entre o Aterro e o Passeio Público.

Como resultado imediato, pela primeira vez se estabeleceu a rede brasileira de Ocupas, que já está se animando para a próxima data-chave do movimento, o 15 de Outubro. Com um pico de 50 barracas, ocorreram assembléias, grupos de trabalho, debates, discussões, midialivrismo, rodas de música, poesia, café e outros mundos. Deitamos no papelão, fizemos cartazes e sites, desviamos eletricidade, comemos com as mãos, batemos lata, nos pintamos, nos devoramos e nos amamos, e marchamos, ficamos nus, queimamos coisas, queimamos as vaidades e nossos tigres de papel.

Com irresignação, mas sempre inventivos, participamos dos atos na Vila Autódromo e na Marcha dos Povos, além de interrompermos a via expressa do Aterro. Este protesto, — em homenagem à ocupante Marília, atropelada no segundo dia da acampada, — chegou a ser covardemente reprimido com a tropa de choque e o caveirão.

Numa irresolúvel forma de fazer política, a Ocupa dos Povos se fez ouvir. Afirmou a força e a continuidade do movimento Occupy em terras brasileiras. Ao choque de ordem das forças fascistas que desmandam nesta metrópole, a Ocupa dos Povos chocou monstros, subversivos da ordem posta, do bom tom, das identidades comezinhas, — subdesenvolveu-se maravilhosa e perigosa, — e forjou a verve de seu próprio meio ambiente, culturamente rico, saturado de relações sociais, de encontros os mais intensos e intensivos. Uma desorganização não-governamental, uma DONG. Índios da metrópole em meio à miséria e ao deserto de cúpulas, conferências, plenárias, chapas brancas, dos colonizadores e seus cães de capacete. Se o homem veio do deserto, a floresta o seguirá.

via http://www.ocupario.org





VEJA MAIS VÍDEOS EM: http://www.youtube.com/user/occupyrio

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Reflexões amistosas sobre a crise atual

Toni Negri
..."Para responder essa pergunta, é preciso ter presente que o capital não é um Moloch; o capital é uma “relação de força” entre quem comanda e quem resiste, entre quem explora e quem produz. 

A multidão não é simplesmente explorada: ela propõe no plano social a sua autonomia e a sua resistência. Sobre essa relação, determina-se a crise, quer dizer, o debilitamento e/ou a ruptura da relação capitalista. 

A crise atual deve-se à necessidade capitalista de impedir que a pressão sobre a renda rompa as relações de domínio, para manter a ordem, primeiro multiplicando sem limites a quantidade de dinheiro a gastar com o único propósito de manter contentes os proletários do conhecimento, depois (quando a situação piorar e a concorrência já seja insuportável) exigindo a restituição do que tenham conseguido, exigindo 'o pagamento da dívida' – sob a ameaça da miséria e da vergonha.",...


Leia as considerações de Toni Negri, na íntegra, em: Reflexões amistosas sobre a crise atual.

#OcupaDosPovos :: Pela união da lutas sociais e independência




Nota de repudio às manobras partidárias contra tradicionais e novos movimentos 
via Occupy Brazil

O povo fica de fora, é manipulado, marcado e enganado enquanto chefes de Estado de todo o mundo, a mando de seus verdadeiros patrões, as corporações e bancos, negociam no Rio Centro o preço das florestas e oceanos; calculando lucros possíveis com ganancia e agindo com mesquinhez na hora de fazer esforços para preservar a saúde da Biosfera e a dignidade humana.

Existe resistência, sim, em toda a Terra, em todo Brasil, na periferia das cidades, nas florestas e no campo. Estamos organizados em assembleias livres, centros acadêmicos ou em formas mais tradicionais como sindicatos e movimentos sociais. Pela internet, ao redor de fogueiras, nas ruas ou em barracões, mesmo separados e diversos, compartilhamos ideais e sonhos de um mundo mais justo, livre e digno para todos.

No entanto, por diversas vezes, a resistência à violência do Capitalismo desumano e ecocida no Brasil tem sido enganada por grupos político-partidários que servem aos interesses dos grandes magnatas do mundo, mas fazem média e mídia com suas antigas bases, enquanto engessam as lutas delas. Prova disso, ao lado de tantos absurdos presenciados na Cúpula dos Povos, foi a manobra feita hoje por grupos “de esquerda” que na verdade estão a serviço do governo e do Capital, que enganaram mais de 500 manifestantes, entre grupos autônomos e representações estudantis não-alinhadas ao governo na manhã do dia 20 de junho.

Conforme articulado amplamente entre diversos grupos e indivíduos que tem acompanhado os debates da Cúpula dos Povos e as manifestações dos últimos dias na Cidade do Rio de Janeiro, hoje foi a data marcada para uma grande marcha saindo da Vila Autódromo até o Rio Centro, sede da conferencia dos chefes de Estado. Estava combinado, articulado entre grupos, que ônibus transportariam manifestantes que estão acampados e alojados em diversos pontos da cidade, como UFRJ e Ocupa dos Povo (#OccupyRioPlus20). Havia sido solicitado que as pessoas interessadas em participar do ato passassem seus nomes às “autoridades”, de modo a poderem passar pelos diversos bloqueios montado na cidade pelo Exército, de modo a chegarem até o ponto de encontro marcado para o início dessa manifestação democrática e constitucional. Tudo isso foi feito, mesmo que não haja nenhuma instrução nesse sentido no artigo 5o da Constituição Federal que versa sobre nossos Direitos Civis.

Vila Autódromo é uma comunidade consolidada e legítima que, como tantas outras no Brasil, está ameaçada pelo interesse de mega-especuladores imobiliários e seus aliados políticos que pretendem desalojar a população para a construção de megaobras olímpicas de necessidade altamente questionáveis. Durante a Rio Mais 20, a comunidade foi escondida com tapumes para que os líderes mundiais não vejam a nossa realidade. Também por isso foi escolhida como ponto de partida para a grande marcha que reúne movimentos de resistência do campo, das cidades e da floresta.

No meio do caminho, a Tropa de Choque apareceu para impedir a manifestação. Mas o revoltante é que antes disso, pessoas que deveriam estar colaborando com o movimento articularam o “furo” de mais de 10 ônibus, para esvaziar o ato, facilitar o trabalho das forças de repressão e, principalmente, evitar o encontro dos diversos grupos de resistência. A estratégia não funcionou completamente, pois muitos dos enganados por articuladores da Cúpula dos Povos conseguiram, mesmo assim se deslocar e se juntar ao movimento.

O episódio não é exceção. Constatamos que nesse momento a luta social vem sido duramente sabotada. É necessário entrarmos numa nova fase histórica de resistência. Apoiamos os movimentos campesinos que lutam por reforma agrária, apoiamos a luta indígena, quilombola, estudantil, operária, a luta por moradia, respeito e dignidade nas periferias do país. Cada grupo ou comunidade, com autonomia, deve buscar horizontalidade e independência em relação a falsos aliados e/ou líderes que jogam nos dois lados.

Nenhum partido, nenhuma central, nenhuma figura personal pode arrogar a si mesmo como depositário da herança de resistência mas que na verdade agem jogando com os dois lados, com privilegio para as classes dominantes. Ninguém tem o direito de tentar manipular ou cooptar a resistência. Pois essa resistência não nasceu há três década, mas há quinhentos anos. É a luta de Zumbi, Chico Mendes, Ganga Zumba, Paulo Freire, Cacique Nísio.

O Brasil começa a acordar. É hora de nos livrarmos de todos os grilhões internos para seguirmos na luta, unidos, todos nós estudantes, indígenas, ciberativistas, trabalhadores rurais, nações indígenas, sem teto. É hora de não nos contentarmos com migalhas. Sabemos que o problema das carências a que muitos de nós humanos estamos submetidos é resultado de má distribuição e da ganancia de uma pequena parcela da população mundial, não de produção.

É hora de voltar combater o latifúndio, que só produz miséria e destruição ambiental. Hora demudar hábitos de consumo para não ser cúmplice da opressão de ninguém. É hora de salvar as matas, rios e aquífero do veneno e da motosserra. É hora de não baixar a cabeça pra ninguém, nem confiar em falsas promessas de nenhum político. É hora ocupar os espaços, nos organizarmos de novas formas e decidirmos por nós mesmos.

As lutas do campo, do Xingu, de Rio Dos Macacos, de Pinheirinho, Vila Autódromo, Santuário dos Pajés, das Universidades Federais e de todos os focos de resistência do Brasil são uma só: a luta dos 99% contra o 1% que tudo controla.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

'Nós hipotecamos o futuro', critica sociólogo polonês Zygmunt Bauman




Zygmunt Bauman avalia as crises e os protestos que se espalham por diversas capitais da Europa e do mundo. Entre causas e efeitos, ele sugere uma radical mudança de comportamento da sociedade como possível solução para o grave problema mundial.



pulso.DOC :: Belo Monte, Anúncio de uma Guerra - filme

Acorda, Brasil, não podemos ficar calados!!! 

25MIL VIRAM O FILME NO YOUTUBE EM MENOS DE 3 DIAS! 

'Emociante ver todos abraçando esse filme que é de todos brasileiros e representa muito mais do que Belo Monte. Estamos recebendo muitas mensagens de pessoas querendo ajudar, é difícil responder todas, mas estamos lendo uma a uma para responder e aproveitar ao máximo as contribuições que estão sendo oferecidas. Obrigado pela compreensão e vamos em frente! 

O filme é livre, divulguem como quiserem, onde quiserem, a idéia é ESPALHAR AO MÁXIMO DE TODAS FORMAS POSSÍVEIS!!!' 

via: https://www.facebook.com/BeloMonteOFilme

quarta-feira, 13 de junho de 2012

#OCUPAdosPOVOS :: #OccupyRioplus20





OCUPARIO vai receber todos os companheiros das ocupas do mundo que chegarem na cidade para manifestar junto durante a Cupola dos Povos e a RIo+20. 

Para atender a todos no melhor dos modos pedimos que informem data de chegada e número de visitantes enviando email para ocupario@gmail.com. Receberão as infos e os contatos direto com a OcupaRio. Nos vemos no OcupaRio!

OCUPARIO will welcome all people from occupy’s movements around the world in Rio de Janeiro to manifest together during people’s Summit and Rio+20. To help us best organize receive people, please inform date and numer of visitors to the address ocupario@gmail.com. You will receive infos about organization and local contacts. See you at OcupaRIO!

OCUPARIO invita tutte le occupazioni intorno al mondo a Rio de Janeiro, per manifestare insieme durante la Cupola dei Popoli e la Rio+20. Per otimizzare l’ccoglienza siete pregati di informare a ocupario@gmail.com il giorno di arrivo e il numero dei visitanti. Riceverete informazioni sull’organizzazione e i contatti locali. Vi aspettiamo a OcupaRIO!

OCUPARIO va a recibir a todos los compañer@s ocupas del mundo que llegarán a la ciudad para manifestarse en la Cumbre de los Pueblos y en Rio+20. Para atender a todos del mejor modo pedimos que informen la fecha de llegada y el número de visitantes enviando un e-mail a ocupario@gmail.com. Recibirán la información y los contactos directos con OcupaRio. Nos vemos en OCUPARIO!

OCUPARIO veut recevoir tous les compagnons provenant d’occupations de tout le monde qui viendront à Rio pour prendre part au “Sommet des Peuples” et à Rio+20. Pour qu’on puisse bien vous recevoir on vous en prie de nous informer la date d’arrivée et le nombre de personnes en écrivant a: ocupario@gmail.com. Vous rencontrerez des infos et contacts directement de OcupaRio. On se voit à OcupaRio!



Reunião geral segunda 11/06 – Ocupa dos Povos – Deliberações

Na reunião desta segunda, 11/06, contamos com um grupo bem maior de pessoas, inclusive companheiros de outros ocupas brasileiros e occupy´s internacionais. [Bem-vind@s tod@s!] Tentamos deixar todos a par do que vinha sendo feito nas reuniões anteriores e definir juntos os próximos passos. Tivemos muito dissenso, especialmente relacionado ao GT Infra que divergiu sobre anunciar hoje o local da ocupação ou aguardar o dia desta para fazê-lo, como vinha sendo consenso em reuniões anteriores. Decidimos por manter a segunda opção, por medidas de segurança. Os GTs se reuniram separadamente (Sinergia, Comunicação, Intervenção e Welcome – este último criado hoje na praça para melhorar a comunicação com os companheiros que estão chegando de fora do país) e depois voltamos para a assembleia coletiva e cada GT fez um breve resumo, que tento transpor abaixo (ata copyleft – gentileza complementar):

GT SINERGIA
Está organizando a lista de companheiros do Rio que possam receber companheiros de fora em suas casas. Há muitas pessoas chegando e isso é muito importante e urgente. Por gentileza, todos que puderem contribuir com essa questão, entrar em contato com o GT no link do facebook e/ou aqui na lista Ocupa dos Povos e/ou no email: ocupario@gmail.com.

GT INTERVENÇÃO
> Fará a intervenção que dará início à ocupação. Ela acontecerá dia 14 de junho, 18h30, e terá como PONTO DE ENCONTRO a Praça Paris (mapa aqui), onde nos encontraremos e seguiremos juntos para o local da ocupação. IMPORTANTE LEVAR PARA A INTERVENÇÃO: capa de chuva amarela, lanterna, pisca-´pisca, apitos, latas e, claro, BARRACA! Há um evento da intervenção no facebook.

GTCOM
> Precisa de pessoas disponíveis para compor equipes que atuarão por turnos – tanto na acampada, como nas ações pela cidade e dentro da cúpula dos povos. Também precisamos de conexão 3G para viabilizar o máximo de streamming. Temos modems que precisarão ser ativados (o que envolve grana, disseram R$ 200). Se alguém tiver conexão móvel ou souber maneiras interessantes de disponibilizar, fale com a gente. Temos 3 tendas gazebo para a acampada, 1 projetor, a sementeira (que precisa ter gente cuidando ao longo de toda a ocupação), e estamos registrando os equipamentos que as pessoas já trarão ou podem trazer para o Ocupa: filmadoras, computadores, celulares etc. Alimentaremos os canais principais (site ocupario.org / twiiter @ocuppyrio / Fanpage / Grupo de Discussão / GTs), incentivando que cada atuante no globo repasse às informações aos grupos de interesse.

Encerramos a assembleia com os informes dos GTs e marcando NOSSO PRÓXIMO E DEFINITIVO ENCONTRO PARA A PRÓXIMA QUINTA-FEIRA, DIA 14/06/12, 18H30, NA PRAÇA PARIS. LEVEM SUAS BARRACAS (e tudo o mais!).

OcupaRio (G.A.) Reunion 06/11, deliberations

On monday (06/11) meeting was present a good number of people, inclusive from other occupies from Brasil and around the world [Wellcome to everybody!!]
We related what has gone on in past reunions and activities and defined together next moves.

As a security measure we decided, after a good discussion, that the final camping place we’ll not be revealed till the day of the action and what is going to be divulgated are only meeting points were to concentrate.

After this the working groups (GT) had separated conversations, and then we reunited again for the GTs could report to everybody

GT SINERGIA
(sinergy, created to give logistic and other kind of help to ar friends coming from all over the world):
is organizing a list of people which can give hospitality in their houses, which is quite urget to realixe, given the big number o people is goin go show up in Rio. Please, everybody who is willing to help make contact with the GT via facebook and/or our mailing lists, or by writing to ocupario@gmail.com

GT INTERVENÇÃO (Intervention)
This group is responsable to actuate in the beginning of occupy actions. Has been decided that our occupation will happen on the 14th, the meeting point will be in Praça Paris at 18.30 (look on google map for directions – Praça Paris RIo de janeiro) and from there wi’ll move all together for the final occupation spot. Who can is kindly request to bring a yellow rain cup, flashlights, whistles, something to bit on and make a lot of noise, and naturallu, CAMPING TENTS!! A FB event will be organizes later on, and informed via mail list.

GT COMUNICAÇÃO (communications)
This working group needs people to cover all is activities. A turnation will regulate participation to cover the camp activities and other happenings and actions around the city. We got some equipment, but still need many things (as internet connection for the streaming, for example). Who is going to bring and use video/audio equipment, is kindly request to contact the group to coordinate cover of all activities (FB or mail). The group will be responsable for the main communication channels of OcupaRio (site ocupario.org / twiiter @ocuppyrio / Fanpage / Discussion groups on FB / GTs), and will be stimulating people all around the globe to make informations circulate.

The reunion ended with the decision that next meeting will be directly on Wednesday 06/14/12, 18h30, in PRAÇA PARIS, for the beginning of actions.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

A Tragédia Grega



Será que o povo não vê que se continuar como está, como vai, não vai!?! Em 20 anos podemos estar como a Grécia, que chegou ao extremo de ter um partido de extrema direita, nazista, com representantes eleitos.

A democracia representativa é financiada por bancos, pelo império da mídia, pelas grandes corporações e as mesmas não se preocupam realmente com um desenvolvimento sustentável, querem apenas atrelar suas marcas a um selo verde para lucrar e mais nada. Forma-se assim uma sociedade ilusória.

Mostram um mundinho açucarado que não existe, ao passo que saqueiam a riqueza comum, que é de todos por direito, manipulando a propositadamente frágil e pouco esclarecida opinião pública. Eles sabem que quem manda não são eles e sim o povo, por isso usam das mais diversas e obscuras estratégias para distrair, dominar e manipular as massas.

Sinceramente espero que as pessoas se liguem no movimento e comecem a se interessar por política e pelo destino da nação, do mundo, para não chegarmos ao ponto que chegou a Grécia, com o povo ateando fogo nas ruas. Acorda Brasil!

Que as pessoas acordem antes que a extrema direita, extremamente careta e impregnada com o ranço da burguesia neoliberal, espumante e ensandecida, dê poder a um partido nazista e vejamos cenas absurdas como esta que foi transmitida ao vivo pela TV grega.


Diário da Liberdade: 'Durante um programa televisivo exibido ao vivo, Ilias Kasidiaris, deputado do fascista 'Amanhecer Dourado', lançou um copo de água sobre umha deputada do Syriza e esbofeteu, por três vezes, uma deputada do Partido Comunista.

Enquanto debatiam sobre a convocatória de novas eleições para 17 de junho na Grécia, num programa da televisão privada desse país, o deputado fascista Ilias Kasidiaris, cujo partido experimentou um expetacular aumento nas últimas eleições, atingindo os 6,9% dos votos, atacou primeiro verbal e depois fisicamente duas deputadas, com as quais mantinha uma discussão política.

Apesar de as imagens serem eloqüentes, o dirigente nazi e ex-militar acusou posteriormente o canal televisivo de "manipular as imagens", emaçando-o polas conseqüências que o incidente poderá ter.

Um mandado de prisão foi expedido contra o agressor, cujo partido está a divulgando impunimente um programa e uma postura abertamente nazista, incluindo perseguiçõess contra imigrantes e homossexuais, assim como ameaças contra comunistas.

Neste caso, o agressor é um militar grego que integrou as forças especiais do país. É de setores especialmente reacionários do exército, ligados à ditadura dos generais, que se nutre o partido "Amanhecer Dourado", que aspira a manter umha importante presença no Parlamento depois das eleições de 17 de junho.'

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Como as pessoas usam seu tempo online

Trinta por cento da população mundial usam a internet, ou seja: 2.095.006.005 pessoas. A população conectada gasta 35 bilhões de horas online todo mês. Essas horas somadas equivalem a 3.995.444 anos!

A maioria passa o tempo em redes sociais (22%), em sites de busca (21%), consumindo conteúdo (20%) e no email (19%). Nenhum site é mais visitado que o Google. Mas o Facebook é como um vício, pois é o que toma mais tempo dos internautas. 

Estatísticas

- Os brasileiros são os que, em média, têm mais 'amigos' nas redes sociais: 481

- As pessoas fazem mais de 1 bilhão de consultas por dia ao Google

- O Reino Unido tem a maior população online: 85% da população. Os EUA estão no quinto lugar (79%). O Brasil tem 40,6%

- Mais de 56% usam redes sociais para espionar pessoas próximas a elas (fique atent@ a esse tipo de internauta, são fofoqueiros digitais: seja no amor, na família, no círculo de amizades ou no trabalho). Foque, não fofoque!

- São postados diariamente mais de 250 milhões de tweets

- Facebook: mais de 800 milhões de atualizações por dia

How People Spend Their Time Online
Infographic by- GO-Gulf.com Dubai Web Design Company
Doc verité realizado durante o 12 de Maio Carioca, (12M) na Praça Agripino Grieco, no Méier, Rio de Janeiro/RJ. Atual Praça Kátia Flávia.

12M é um chamado de mobilização social feito em conjunto pelos muitos movimentos Occupy ao redor do globo que defendem novas formas de viver e conviver em sociedade, contra a concentração de poder de decisão nas mãos de políticos e coorporações.

12M é 12 de Maio! É o primeiro de uma série de chamados globais no ano, onde manifestantes em todo o planeta sincronizam suas agendas e propõem atividades conjuntas em praças públicas em seus locais de origem.

No Rio de Janeiro, uma das iniciativas foi sair da região central/turística e produzir o encontro no bairro do Meier, criando novos polos multiplicadores de ocupações pela cidade. 12M, 12Meier, Ocupa Meier, Ocupa Rio! Conclamamos todos a construir juntos um dia intenso de atividades na praça Agripino Grieco, no Méier! Foi um dia de muita atividade no 12M! Tivemos debates, happenings, show etc. Tudo autogestionado!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

#12M :: PROGRAMAÇÃO DO 12 MÉIER :: #OcupaRio

12H :: CONCENTRAÇÃO  

12H30 :: OFICINA DE CARTAZES DIGITAIS EM SOFTWARE LIVRE 

14H :: DEBATE COOPERATIVISMO LOCAL E GLOBAL. CONSTRUÇÃO DE ALTERNATIVAS EM TEMPOS DE CRISE NA ECONOMIA, POLÍTICA, MEIO AMBIENTE E CULTURA 

17H :: GRANDE BINGO DO RIO 

18H :: PROJEÇÃO DE CURTAS E DEBATE COM O CINEASTA MARCELO BICHARA

19H :: SHOWS DE HIP-HOP: FAMÍLIA KAPONNE :: US NEGUIN Q Ñ C KALA :: MR. BREAKE SOUSA :: K-LOT E O BONDE 2 CRIA :: DON ALAN MAROLA :: ANDRÉ ZOVÃO :: DON CAPPUCCINO :: MALÍCIA URBANA CREW :: JHONNY (RL) SILVA :: FÁBIO FINA :: DJ TIKANO CALDERON 

ALÉM DISSO TUDO ESTARÁ ROLANDO TAMBÉM AO LONGO DO DIA CAPOEIRA, DIVERSOS MICRO DEBATES E SHOWS, FEIRA DE TROCAS (LEVE COISAS PARA TROCAR), MICROFONE ABERTO, SURPRESAS, GOIABADA E OUTROS MUNDOS!

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Capitalismo, destruir ou ser destruído


O capitalismo nababesco, pantagruélico, insustentável e antropofágico praticado hoje, na verdade não cria riqueza, cria seres humanos doentes, obcecados com o capital.

O sistema capitalista atual é uma máquina projetada para transformar seres humanos em bestas insaciáveis, infelizes e insatisfeitas, que buscam sempre uma maior satisfação. 

Este sistema perverso está enraizado no desejo de ser melhor do que outros, de ter mais do que aqueles que pouco ou nada têm. 

O grande erro histórico que está levando este sistema a, inevitavelmente, destruir ou ser destruído, é a equivocada valoração do ter em detrimento do ser. 

Não somos o que temos, temos o que somos!

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Occupy Wall Street renasce no 1º de maio e ataca símbolos do consumo em NY


via operamundi / Efe

Com o fim do rigoroso inverno norte-americano, movimento voltou a ocupar ruas da maior metrópole dos EUA


Apesar de ser o berço do Dia do Trabalho, os Estados Unidos não têm a tradição de baixar as portas do comércio, nem fechar fábricas e escolas, como ocorre em quase todo o mundo. Ontem, porém, os manifestantes do movimento Occupy Wall Street mudaram este cenário, confiantes no lema que disseminam desde o ano passado: “Nós somos os 99% e podemos mudar o mundo”.

Após uma pausa devido ao rigoroso inverno no hemisfério norte, o movimento que protesta contra o sistema financeiro internacional e se espalhou pelo globo em 2011 voltou à ativa neste 1º de maio, com uma manifestação sem precedentes em Nova York.

O recado já havia sido dado, como noticiado no Opera Mundi: não ao consumo, ao trabalho, à escola. E eles cumpriram o que prometeram. Jovens, famílias inteiras com bebês de colo, idosos, mendigos, hipsters e engravatados ocuparam as ruas de Manhattan pacificamente, com guitarras, violões, bandeiras, cartazes, discursos, canções e gritos de protesto no simbólico ‘feriado’.

O movimento, que foi alvo de uma articulada repressão por parte da polícia norte-americana – que evacuou todos os ocupantes de suas bases, proibindo-os de ali voltarem a acampar – renasceu. A iniciativa começou cedo, com a ocupação do Bryan Park, na rua 42 com a 6a Avenida. O Occupy ainda realizou ações pontuais em alguns pontos de comércio e bancos (os vilões da crise americana de 2008, ajudados por Barack Obama para não quebrarem). Cartões-postais, como a ponte de Williamsburg, também foram ocupados.

Por volta das 14h (15h no horário de Brasília), centenas saíram em direção à Union Square, tomando a 5a Avenida, o símbolo-mor do consumismo nova-iorquino. Sempre acompanhados pela polícia, eles respeitaram até a rua 33 o cercadinho humano que os impossibilitava de tomar – literalmente – a avenida. Dado instante, porém, a multidão ficou irrefreável. A polícia perdeu o controle da situação – e a 5a Avenida foi, literalmente, ocupada. A liberdade, contudo, durou pouco, segundos. Centenas de policiais voltaram a cercar alguns manifestantes e prende-los.


Grande parcela dos ‘ocupadores’, entretanto, deu continuidade à caminhada e, por volta das 15h, já dominavam a Union Square, monitorada pelos homens da NYPD (o departamento de polícia de Nova York). “Loucura, era disso que eu estava falando”, dizia uma das manifestantes à amiga que empunhava a bandeira da anarquia, correndo em direção à praça. Lá, os discursos – e reivindicações – se misturavam, chamando atenção para os mais distintos assuntos: aborto, imigração, drogas, direitos de GLBT, cadeirantes. Todos, no fim, desembocavam no mesmo grito: o fim do capitalismo e dos privilégios ao 1% mais rico da população.

Encontro de classes

A professora Suzane, de 65 anos, que se recusou a dar o sobrenome por medo de retaliação, exaltou o Occupy como a “única salvação” para o sistema atual. “O dia de hoje é crucial para a história dos Estados Unidos. A única salvação para todo o mundo é a ocupação em Wall Street. Você tem aqui ricos, pobres, jovens e idosos, fora um monte de gente que não está aqui por medo de perderem seus trabalhos: gente da minha família inclusive. Em 65 anos nunca vi nada igual”, declarou Suzane.

Para a professora, o movimento é, sobretudo, “apolítico”. “Democratas ou republicanos, nós já vimos que nada acontece. A mídia, que deveria dar atenção a isso, é controlada pelo [Rupert] Murdoch, nada é noticiado. Por isso estamos aqui”. O jovem William, de 29 anos, que trabalha como operário em construção (e também se recusou a dar seu sobrenome), atendeu ao clamor do lema do “May Day” e “enforcou” o dia de trabalho para se juntar ao Occupy. Ele ressaltou a importância dos jovens – e da união com as diversas faixas etárias, raças e classes sociais.

William, entretanto, lembrou o medo de um grande número de trabalhadores que poderiam se juntar à causa e não o fazem por preverem represálias. “Eu acredito no Occupy, mas só não sei se ele consegue ser efetivo com esse número que temos aqui manifestando”, disse. A tese de represália – “num mundo cruelmente corporativista”, como pontuou Suzane – faz sentido. Diversos policiais empunhavam câmeras durante o manifesto – e, claro, que com intenções outras que a mera curiosidade ou o puro registro. Se negavam, no entanto, a explicar o uso da máquina.

Rumo ao coração financeiro

efe
Por volta das 16h30, um chamado do palco convocou as milhares de pessoas que ocupavam a Union Square e seus arredores para seguir em marcha ao Zucotti Park, em Wall Street, onde tudo começou. Os manifestantes passaram pela Broadway, interditando uma das principais avenidas de Manhattan, em meio às diversas grifes que pipocam pelo miolo do sofisticado bairro do SoHo. Moradores, turistas e comerciantes, em sua maioria, fotogravam, comentavam, aplaudiam. Outros, fechavam as portas, como uma loja da rede Starbucks.

A nova-iorquina Margie, 61 anos, dava de ombros ao cerco policial e sorria em meio à multidão, já a caminho do coração financeiro da cidade. Dizia-se feliz por participar e interagir com o ato “histórico”. “O que está acontecendo aqui é muito importante. E essa união, especialmente, pode mudar muita coisa. Eu espero que mude”.

Entretanto, nem tudo foram flores. Ainda no caminho, um policial questionado sobre como reagiriam quando os manifestantes chegassem a Wall Street, alterara: “Isso certamente não vai acabar bem”.

A exemplo de outras iniciativas do Occupy, como a caminhada na Ponte do Brooklyn e a marcha do Occupy Times Square, dezenas de manifestantes foram presos. A reportagem presenciou duas detenções, com direito a algemas e camburão. Uma das manifestantes presas, perguntada por alguém da imprensa porque estava sendo detida, limitou-se a responder, quase em silêncio, “porque eu sou contra”.

Próxima parada: Europa (e América do Sul)

Cidades como Paris também fizeram seu grito de resistência no 1o de Maio, mas foi apenas um ‘esquenta’ para a grande rede que irá se propagar em toda a Europa entre 12 a 15 de maio, quando eles prometem reativar a ‘revolução espanhola’ (que dominou as ruas e o Twitter com o hashtag #spanishrevolution no mesmo período do ano passado e que também está nas redes sociais sul-americanas com tags como: #OcupaRio, #12M e #15M, dentre outras...). O Occupy Wall Street, aliás (como o movimento dos ocupas aqui no Brasil), foi inspirado nos “indignados” espanhóis, que agregava o mesmo caldeirão de pessoas para se voltar contra o sistema.

Com o agravante da situação econômica na Europa – ainda pior que nos Estados Unidos –, a Espanha promete ser outra vez o epicentro do movimento. O país, onde uma em cada quatro pessoas está desempregada, vai fazer barulho. “O ‘May Day’ foi histórico e voltou para ficar. Mas a Europa vai queimar”, aposta o médico brasileiro Alexandre Carvalho, um dos idealizadores do Occupy.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

#12M #15M :: Mobilizações de maio serão decisivas



via Carta Maior (copyleft)

"No curto prazo, o mês de maio já se apresenta como um momento decisivo para sabermos se vamos poder contar com uma possível nova fase constituinte de lutas, depois daquela que conhecemos no ano passado. Muito depende de como o Primeiro de Maio organizado pelos “occupy” nos EUA e a mobilização global dos dias 12 e 15 de maio acontecerão. A grande questão é saber se o 15M e as redes sindicais conseguirão se encontrar num terreno não corporativo", defendem Antonio Negri e Giuseppe Cocco em entrevista concedida na Espanha, onde ocorrerá esta semana o Seminário Internacional Crise da Representação e os Desafios da Democracia no século XXI.

Redação


Madri - No momento em que o movimento de contestação popular democrática 15M, também chamado de movimento dos indignados, completa um ano, o Governo do Estado do RS vai até a Espanha para apresentar seu sistema de participação cidadã. O Seminário Internacional Crise da Representação e os Desafios da Democracia no século XXI vai reunir pensadores, ativistas, representantes de sindicatos e governos para analisar experiências e soluções encontradas em várias partes do mundo, nos dias 4 e 5 de maio, na sede da Comissão Europeia, em Madri. 

Nesta entrevista, Antonio Negri e Giuseppe Cocco traçam um panorama das mudanças provocadas por movimentos como o 15M, a crise da democracia nos países europeus e o papel que os países do sul podem desempenhar na busca por novos modelos de democracia, com novos canais e espaços de participação popular. 

Antonio Negri, filósofo italiano, é professor titular aposentado da Universidade de Pádua (Itália) e professor de filosofia do Colégio Internacional de Paris (França). Entre outras obras, escreveu, em parceria com Michael Hardt, os livros "Império" e "Multidão". Giuseppe Cocco, cientista político, doutor em história social pela Universidade de Paris, é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entre outras obras, escreveu, com Antonio Negri, o livro "Glob(AL): Biopoder e Luta em uma América Latina Globalizada".

Depois de um ano do início do movimento 15M, qual a força de mobilização e capacidade de renovação dos protestos?

Antonio Negri e Giuseppe Cocco: Uma boa maneira de se responder a essa pergunta é começando por uma definição adequada do que é o 15M, ou seja, o movimento da multidão na Espanha do ano passado. Uma primeira definição é muito simples: trata-se de um formidável processo de (re)apropriação da política por milhares de pessoas. Esses milhares de pessoas não se reúnem a partir de alguma identidade prévia (por exemplo, a condição objetiva dentro da divisão técnica e social do trabalho), mas se constituem como uma multidão de singularidades (a classe que nós podemos enxergar nessas lutas é uma produção de subjetividade). 

Usando as palavras de Raúl Sanchez, podemos definir o 15M e as primaveras árabes também como movimentos de revolução democrática: inventores de democracia e radicalizadores da democracia. A invenção da democracia acontece na sua radicalização: na imanência que contém a forma e o conteúdo dessas lutas. Hoje o 15M está chegando a um ano de existência e se constitui como que um prisma a partir do qual se pode olhar para os movimentos que o anteciparam (a primavera árabe) e para os que o seguiram (o occupy wall street). Seu horizonte é o da sua globalização!

Os protestos e as mobilizações nunca pararam e continuaram a se propagar de maneira viral: atravessaram o Mediterrâneo até as praças de Tel Aviv, e depois atravessaram o Atlântico no Occupy Wall Street (que, por sua vez, teve como referência as longas manifestações na Assembléia Estadual em Wisconsin), generalizando-se em dezenas de cidades dos Estados Unidos, de costa a costa; depois disso, as lutas voltaram para a Praça Tahrir no Egito e para a Praça Syntagma de Atenas. No dia 15 de outubro do ano passado as manifestações foram globais e chegaram também ao Brasil (embora de maneira ainda embrionária). 

Os contextos de cada um desses movimentos foram muito diferente e em nenhum deles se repetiu o que acontecia em outro lugar. Contudo, cada um deles conseguiu traduzir para a sua singularidade alguns elementos comuns. Como dissemos, esses movimentos desenvolveram-se numa “forma multidão”, algo como um “fazer-se da multidão”: frequentes assembléias e decisões participativas. As mídias sociais (como Facebook e Twitter) foram instrumentos de rede: evidentemente, elas não criam os movimentos, mas são ferramentas úteis, porque, em vários sentidos, correspondem à estrutura dos experimentos horizontais e democráticos dos próprios movimentos. Em outras palavras, o Twitter é útil, não porque divulga eventos, mas porque reúne as ideias de uma grande assembléia para uma decisão específica, em tempo real. Na rede, em seus códigos e protocolos, reside o mecanismo de ativação e modulação de um movimento que funciona como um enxame.

Assim, o movimento espanhol se constituiu numa primeira e potente resposta às consequências políticas e sociais da crise sistêmica do capitalismo global. Nesse sentido, ele herdou e requalificou os protestos da multidão grega, articulando a “recusa a pagar” pela crise do neoliberalismo com uma capacidade de mobilização autônoma e horizontal de tipo novo e constituinte, fortemente inspirada na relação estreita que as revoluções árabes estabeleceram entre as mídias sociais e as praças. 

Além disso, o 15M foi também a invenção de uma zona de mobilização autônoma diante do impasse gerado pela gestão totalitária que o governo socialista espanhol optou por fazer da crise, obedecendo passivamente às medidas impostas pelas finanças, pela União Européia e agências de rating. O PSOE de Zapatero esvaziou totalmente o terreno da representação como possível espaço de negociação e acabou transformando a anunciada vitória da direita neofranquista em um verdadeiro pesadelo: sem alternativas. 

Na impossibilidade de apelar para um voto reformista ou até simplesmente “útil” (pois teria significado aceitar e legitimar a chantagem da gestão antissocial e antidemocrática da crise implementada pelo PSOE a partir da ditadura das finanças) o movimento foi a única brecha encontrada; e podemos dizer ainda que um de seus grandes resultados foi o de esvaziar antecipadamente a legitimidade da vitória eleitoral da direita. Contudo, o movimento enfrenta hoje dois desafios: um primeiro – de tipo geral – é renovar-se nas mobilizações de rua e com isso avançar no terreno da luta contra a crise; um segundo – mais especifico – é conseguir inovar nas formas de mobilização, agora que a representação (o governo) se apresenta como aberta regressão reacionária e os espaços de manifestação democrática são submetidos à chantagem da repressão e da violência. 

De maneira um pouco mais geral, a questão que se coloca hoje é de saber se esses protestos e mobilizações conseguirão continuar suas lutas com uma capacidade adequada de inovação. Podemos então reformular a questão inicial nesses termos: a multiplicação dos protestos que já acontece e se aprofundará, além de se constituir em horizonte inevitável de toda reflexão teórica e política, pode voltar a renovar suas dimensões constituintes? As múltiplas instâncias do 15M e dos movimentos “occupy” já enfrentaram o desafio apostando na recomposição dos movimentos em dois grandes momentos: o primeiro de maio (o May Day) lançado pelo Occupy Wall Street nos Estados Unidos, e o 12 e 15 de maio lançado pelo 15M espanhol. 

O 15M – enquanto movimento global – já pode também contar com mais uma inovação: a mobilização operária e sindical. Houve uma grande manifestação nacional do sindicato dos trabalhadores metalúrgicos na Itália (a FIOM) e uma greve geral (de 24 horas) na Espanha. Na Itália, os metalúrgicos protagonizaram greves espontâneas, manifestações e piquetes de rua contra a reforma trabalhista e enfim confluíram numa grande manifestação nacional no dia 9 de março de 2012. Na Espanha, as duas principais centrais sindicais (UGT e CCOO) mobilizaram um vasto protesto contra a flexibilização selvagem do mercado do trabalho, tentando inclusive se tornar o eixo de referência do conjunto da oposição social à ditadura financeira consolidada no governo de direita (do PP). A greve geral foi atravessada pela constelação de realidades dos movimentos oriundos do 15M rumo à mobilização global de 12 e 15 de maio. Nas manifestações, a multidão dos jovens precários e desempregados clamava pela apropriação da greve (Toma la huelga) para preparar uma outra greve (Otra huelga). 

Ao invés de constituir uma normalização do movimento nos moldes tradicionais de organização sindical, a greve geral espanhola acabou se mestiçando nas práticas de luta dos trabalhadores que já estão fora da relação salarial e precisam de novas formas de organização e, sobretudo, de um novo programa. Apareceu com clareza o desafio de juntar a greve “geral” contra a austeridade e o endividamento com a as lutas de defesa das condições gerais de vida (biopolíticas) democrática. A questão que está colocada é, pois, como a “greve geral” saberá se tornar uma outra greve, uma resistência geral contra a chantagem da austeridade e do endividamento, rumo a um programa que tenha como base a defesa da própria vida, das bases biopolíticas da democracia: greve geral e renda universal!

Quais as possibilidades de construção de sínteses a partir dessas novas mobilizações para uma nova agenda democrática?

AN e GC: Mais do que pensar na construção de novas “sínteses”, o desafio atualmente é a renovação e a propagação dos movimentos “constituintes” e, dentro e a partir deles, de uma nova agenda democrática, de um novo “programa”, um programa da multidão. O eixo desses esforços foi definido pelos próprios movimentos: trata-se da luta para a reapropriação social de tudo que a renda financeira expropria; uma luta rumo à construção de um “novo welfare”, capaz de libertar as vidas da chantagem dos dispositivos de endividamento e das infinitas modulações dos fragmentos de inclusão-exclusão, exclusão-inclusão. 

Dito de outra maneira, diante do ataque generalizado a toda produção social, a única maneira de defender o trabalho é defender a cooperação social como um todo. A defesa do “trabalho” precisa enraizar-se na defesa de toda a produção social, ou seja, da conexão das lutas por salário “dentro” da empresa com as lutas de todas as subjetividades pela renda “fora” da empresa. Sem essa conexão, as lutas são incompreensíveis e impotentes. Já temos aqui o conteúdo e a função do programa. O novo programa será adequado se souber construir essa conexão: renda incondicional, welfare universal e a apropriação dos serviços e dos bens para além da clivagem público/privado, no terreno da constituição do comum.


A gestão da crise do capitalismo global está se dando num terreno de exceção, à qual somente as dinâmicas constituintes dos movimentos de tipo novo podem responder para transformá-la em radicalização democrática. Nesse sentido, as manifestações sindicais de 9 de março na Itália e a greve geral de 29 de março na Espanha constituíram importantes momentos de generalização das lutas. No curto prazo, o mês de maio já se apresenta como um momento decisivo para sabermos se vamos poder contar com uma possível nova fase constituinte, depois daquela que conhecemos no ano passado. Muito depende de como o May Day (Primeiro de Maio) organizado pelos “occupy” nos Estados Unidos e a mobilização global dos dias 12 e 15 de maio acontecerão. 

De maneira mais geral, a questão é de saber se o 15M e as redes sindicais conseguirão se encontrar num terreno não corporativo, ou seja, na construção de uma agenda adequada. E a agenda somente será adequada se houver clareza sobre o fato de que não se trata de defender (apenas) o trabalho dentro da relação salarial (dentro do emprego), mas as bases sociais gerais de um trabalho que acontece também e, sobretudo, fora da relação de emprego, envolvendo a vida como um todo: no setor terciário (serviços), nas redes sociais, na precariedade e na informalidade. Sem esta compreensão das dimensões pós-industriais do trabalho produtivo, das qualidades cognitivas da força de trabalho e, enfim, das dimensões sociais que a qualificam ao mesmo tempo em que qualificam a produção como um todo, não haverá recomposição de classe. É nesse sentido que hoje a luta é pela defesa das condições gerais de vida e implica a construção de uma nova agenda democrática a partir do tema geral da Renda de Cidadania. 

Mais ainda, sindicatos e movimentos têm que construir frentes e instituições como “Bolsas de trabalho” ou “Pontos de trabalho” para poder organizar reivindicações salariais para todos: para os que têm um emprego e para os que não o têm, para os que têm um estatuto e para os que estão na precariedade, e isso passa necessariamente pela luta em prol de uma renda social incondicional. Quando a empresa se torna social, o sindicato também deve tornar-se social. Isso é de grande atualidade no Brasil! Pensemos, por exemplo, em como as lutas dos sindicatos dos professores ficam hoje limitadas e corporativas ao não conseguirem se articular com os territórios.

Sem a reconquista da riqueza socialmente produzida por meio de uma renda social universal e incondicional, a relação salarial não saberá se tornar a base constituinte de uma agenda democrática, de maior liberdade e igualdade, para superar o neoliberalismo. O salário é hoje uma ferramenta social. É por isso que o capital financeiro controla direta ou indiretamente a indústria, os serviços, o trabalho social em geral; e sua atuação é imediatamente política: por essa razão o capital ocupa diretamente os governos que, por sua vez, operam a partir das métricas, das medições (ratings) que as próprias finanças impõem. Diante da governança financeira do trabalho social, os governos se tornam órgãos de execução de seu comando direto. Assistimos a uma inversão das tradicionais relações de servilismo entre governos e capital: os ministros não são mais empregados do capital, mas são os empregados do capital que se tornam ministros.

As acampadas do 15M, do Occupy, da Praça Syntagma e também aquelas embrionárias que aconteceram no Rio de Janeiro, em São Paulo e Salvador – a partir do conflito com o capital e seu governo – estão trilhando um terreno novo, ou seja recompondo – entre as redes e as praças - as lutas operárias, as lutas por moradia, por escola, pela saúde, e vão também começando a intervir na gestão das escolas e dos hospitais, elaborando experimentações de inovação do mercado do trabalho. Trata-se mesmo de fazer isso, de reconstruir desde baixo as redes das relações sociais que hoje permitem que as empresas funcionem; apontar as contradições no plano concreto, os elos inovadores e os que destroem as redes; apreender, junto dos trabalhadores e/ou dos cidadãos, os modos de produção de subjetividade que os instauram. 

A síntese que hoje faz sentido é mesmo aquela de um “estilo de militância” que associe a luta pela generalização da renda universal em todos os segmentos do trabalho social e a recomposição das lutas das forças de trabalho sociais com as lutas dos operários industriais, no terreno da constituição do comum. 

Quais perspectivas podem vir do Sul, onde a tradição democrática é mais jovem, mas as experiências das novas metodologias têm sido referência, como no caso do Brasil e o Rio Grande do Sul?

AN e GC: O governo da crise sistêmica do capitalismo global se apresenta como uma “revolução desde cima”. O capital financeiro, longe de ser reduzido dentro dos marcos de regulação que supostamente deveriam restabelecer seus critérios prudenciais (conservadores!), está se mostrando não como um desvio, mas como o próprio modo de ser do capitalismo contemporâneo. Com a crise, sua ação não se reduz, mas alcança um novo patamar: depois de ter assumido o controle das redes sociais de produção, de ter substituído a relação capital–trabalho por aquela de crédito e débito, o capital financeiro se torna abertamente governo, passando por cima das próprias regras da democracia formal. É um poder de exceção que atua ao longo de duas linhas: por um lado, a redução dos governos e de todo o mecanismo da representação a meros executores técnicos das diretivas dos mercados; pelo outro, a destruição do welfare residual e com isso a destruição das próprias condições biopolíticas da democracia formal assim como a conhecemos no segundo pós-guerra.

Os governos da América do Sul se constituíram, nessa primeira década do novo milênio, numa tímida porém real contratendência: depois de ter abandonado as políticas de privatização, passaram a elaborar novas formas de proteção social (em particular, com a distribuição de renda e a valorização do salário mínimo) e algumas inovações democráticas: no Brasil podemos destacar as novas formas de participação (o orçamento participativo de Porto Alegre), as brechas de transversalidade abertas no Ministério da Cultura de Gilberto Gil, as conferências nacionais de comunicação, cultura, segurança, além de outros elementos de inovação reformista no terreno, como por exemplo, da política de cotas raciais nas universidades, de democratização do acesso ao ensino superior (Prouni e Reuni), da política indígena (como no caso da demarcação contínua da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima).

Na Argentina, as lutas pela democracia (em particular, com as políticas de direitos humanos e os processos da ditadura) e os “planes” de distribuição de renda foram particularmente importantes. Na Bolívia e no Equador tivemos intensos momentos constituintes. Além disso, os governos da América do Sul em geral e do Brasil em particular se engajaram nos rumos de uma nova política externa que articula criativamente o governo da interdependência com a multiplicação das relações Sul-Sul (no âmbito do G20, dos Brics, da Unasul etc.). 

Nesse sentido, o Sul em geral e a América do Sul em particular pode ter um papel fundamental a desempenhar dentro da crise, colocando-se como um novo ponto de referência para os movimentos, no terreno da resistência democrática e de um reformismo inovador. Agora, esse papel não é nem automático e nem está consolidado. Pelo contrário, já existem inúmeras inflexões que nos fazem pensar em uma homologação dos projetos e das políticas dentro dos valores – decadentes, mas sempre em vigor – do capitalismo global. 

Na Bolívia, por exemplo, onde parecia que as relações entre movimentos e governos fossem as mais abertas e íntimas, assistimos à multiplicação de conflitos (o gazolinazo no El Alto de La Paz, a marcha indígena no Tipnis contra a estrada construída com financiamento brasileiro por uma empreiteira brasileira) que envolvem diretamente a questão dos ‘projetos’ e dos ‘sujeitos’. 

A solução “estatal” das escolhas de valores parece prevalecer sobre a opção da radicalização democrática. No Brasil também, o primeiro ano do governo Dilma conseguiu fechar – com rara obtusidade – uma série de interstícios que o pragmatismo da era Lula tinha deixado acontecer: a distribuição de renda continua fechada nos limites (neoliberais) da condicionalidade, mantendo o foco numa erradicação da pobreza que mais se assemelha a uma remoção dos pobres; a experiência inovadora do MinC foi destruída e com ela todas as políticas inovadoras em termos de uma política de redes; as relações com os movimentos sociais (organizados ou não) tornaram-se praticamente nulas; o Ministério das Comunicações abriu mão do plano de banda larga para agradar aos interesses das operadoras multinacionais de telefonia; as grandes obras (como Belo Monte, os Estádios da Copa e as Olimpíadas do Rio) são implementadas segundo uma lógica autoritária que é exatamente aquela da racionalidade capitalista; um governo oriundo das forças sindicais sequer é capaz de entender as revoltas endêmicas dos operários das barragens; a regulação dos vistos para os imigrantes estrangeiros reproduz para pior as piores políticas de discriminação dos mais pobres (os haitianos e os africanos) que os países do norte aplicaram (e aplicam) contra os brasileiros. 

Enfim, parece que tudo se resolve em termos de taxa de juros e de crescimento, segundo linhas de valor transcendentes; ou seja segundo os padrões de valor dominantes. Acontece que esses valores estão hoje totalmente em crise e só se reproduzem com base numa preocupante redução dos espaços democráticos. 

Enfim, a questão que se coloca é mesmo de saber se o Sul – e o Brasil em particular – quer mesmo se homologar pelos valores transcendentes (e decadentes) do Norte e de seu capitalismo financeiro ou se, ao contrário, é sua alteridade radical e a sua capacidade de produzir novos valores que interessa. No cerne dessa alternativa se encontra a questão dos pobres e da classe. Por um lado, as forças residuais do movimento socialista mantêm o que de pior houve na experiência socialista, ou seja, suas dimensões positivistas e desenvolvimentistas, aquelas que estiveram na base da degeneração totalitária do stalinismo e consideram a ciência e a indústria como um prêmio da luta de classe. 

Nessa tradição – teoricamente extenuada mas ideologicamente ainda ativa – os “pobres” são um estorvo, fruto da anarquia do capital, algo a ser removido pelo crescimento e pela racionalidade, de modo a transformá-los todos em operários e classe média. Por outro lado, na tradição da classe entendida como constituição e luta (o “comunismo” na definição marxiana!), a ciência e indústria não constituem nenhum prêmio, mas são o próprio terreno do conflito, rumo a outros valores. Aqui, a luta dos pobres afirma sua alteridade, ou seja, a riqueza que somente os pobres produzem, em outras palavras, uma outra riqueza, uma outra sociedade. E a alteridade dos pobres tem como sua maior riqueza a diferença, isto é, a capacidade que os pobres têm de serem índios, favelados, negros, imigrantes, mulheres etc. – esta é a riqueza do Sul. 

É esta riqueza que se tornou a referência nas montanhas de Chiapas e nos Fóruns Sociais de Porto Alegre. E essa alternativa tem um terreno bastante definido: por um lado, a comemoração da emergência de uma “nova classe média”; pelo outro, o trabalho de reconhecimento do processo de constituição de uma nova classe trabalhadora.

O governo do Rio Grande do Sul pode, nesse panorama, renovar a experiência que foi a base do Fórum Social Mundial de Porto Alegre, trabalhando ao longo de dois eixos: por um lado, com a inovação das práticas de participação no terreno da mobilização política e produtiva, retomando e qualificando as políticas mais inovadoras dos governos Lula (como está sendo feito com as cotas de cor nos concursos públicos); pelo outro, se apresentando diretamente na cena global junto aos movimentos, proporcionando ocasiões de debate sobre os espaços de construção democrática, entre expressão e representação. 

O governo do Rio Grande do Sul tem dois terrenos fundamentais para a experimentação democrática: a evolução das políticas sociais de distribuição de renda em direção a uma Renda Universal (experimentações que podem envolver os próprios dispositivos das políticas sociais, mas também uma nova maneira de enfrentar e dialogar com o corporativismo sindical); a democracia em rede, que a experiência inovadora do Gabinete Digital prefigura como um consistente espaço de mobilização política e de radicalização democrática.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...