domingo, 26 de fevereiro de 2012

Não seja ordinári@, seja revolucionári@!

Misture seus relacionamentos pessoais e sua política, saia pra tomar um café com alguém e converse sobre a causa.

Fale sobre o conluio entre governantes e corporações, explique como o patrimônio público e a riqueza comum estão sendo postos a leilão e usurpados pelos ricos e poderosos.

Não desperdice seu tempo apoiando um partido político público, inicie logo o seu próprio grupo ativista.

Promova ações inteligentes e pacíficas para mostrar às pessoas o que está errado e como é fácil fazer a coisa certa. Deixe claro os objetivos humanitários de liberdade, justiça social e o direito a consumir apenas aquilo que lhe provém, e não o que te empurram através de propagandas que usam seu emocional para lhe fazer comprar bens supérfluos.

Nós todos devemos alimentar-nos e aos nossos filhos, manter nosso emprego, mas temos a obrigação de encontrar, a partir de dentro, formas para resistir à opressão corporativa. Trabalho não é escravidão moderna, todos temos direito a ter nosso negócio próprio, fortalecendo a economia popular ao invés de deixar mais ricos os que já estão muito ricos.

Muitos conservadores são mantidos no ignorantismo para o fato de que as corporações recebem trilhões das mãos de governos, torne-os conscientes. Mostre os fatos, fale sobre o lucro absurdo das grandes corporações e questione se isso é justo em um mundo onde ainda existe tanta miséria, desemprego e falta de perspectiva para as novas gerações. Estude, informe-se e coloque o capital em xeque.

Participe de protestos que atendam o interesse comum das pessoas. Em vez de perder seu tempo em discotecas industriais, que bombam musicas irracionais na mente de seus frequentadores, crie entretenimento com musicas que clarifiquem e despertem as pessoas ao invés de jogá-las em um mundo de fantasia utópica. Mostre que ser é muito mais importante e valioso que ter. Trabalhe com sagacidade para tornar o interesse público interesse do público.

Diga: "EU SOU A REVOLUÇÃO!", e ACREDITE, muit@s são iguais a você, não seja mais um ordinário, transforme-se e transforme, seja revolucionári@!

Notas:

- Significado de Ordinário: adj. Que se faz comumente; habitual, useiro, vulgar; comum. | Frequente; que ocorre a cada instante; que se vê muitas vezes. | Fig. Medíocre; que não ultrapassa o nível comum. | De qualidade média ou inferior. | Reles; sem caráter.

- Significado de Revolucionário: adj. Referente a revolução: período revolucionário. | Adj. e s.m. Que, ou aquele que provoca revoluções; favorável a transformações radicais; progressista, inovador.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Dedicado (com amor) a tod@s que fazem sua própria cabeça



"Quando o amor vos fizer sinal, segui-o; ainda que os seus caminhos sejam duros e difíceis. E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos; ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir. E quando vos falar, acreditai nele; apesar de a sua voz poder quebrar os vossos sonhos como o vento norte ao sacudir os jardins.

Porque assim como o vosso amor vos engrandece, também deve crucificar-vos. E assim como se eleva à vossa altura e acaricia os ramos mais frágeis que tremem ao sol, também penetrará até às raízes sacudindo o seu apego à terra.

Como braçadas de trigo vos leva. Malha-vos até ficardes nus. Passa-vos pelo crivo para vos livrar do joio. Mói-vos até à brancura. Amassa-vos até ficardes maleáveis. Então entrega-vos ao seu fogo, para poderdes ser o pão sagrado no festim de Deus.

Tudo isto vos fará o amor, para poderdes conhecer os segredos do vosso coração, e por este conhecimento vos tornardes o coração da Vida. Mas, se no vosso medo, buscais apenas a paz do amor, o prazer do amor, então mais vale cobrir a nudez e sair do campo do amor, a caminho do mundo sem estações, onde podereis rir, mas nunca todos os vossos risos, e chorar, mas nunca todas as vossas lágrimas.

O amor só dá de si mesmo, e só recebe de si mesmo. O amor não possui nem quer ser possuído. Porque o amor basta ao amor. E não penseis que podeis guiar o curso do amor; porque o amor, se vos escolher, marcará ele o vosso curso. O amor não tem outro desejo senão consumar-se.

Mas se amarem e tiverem desejos, deverão ser estes:

Fundir-se e ser um regato corrente a cantar a sua melodia à noite. Conhecer a dor da excessiva ternura. Ser ferido pela própria inteligência do amor, e sangrar de bom grado e alegremente. Acordar de manhã com o coração cheio e agradecer outro dia de amor. Descansar ao meio dia e meditar no êxtase do amor. Voltar à casa ao crepúsculo e adormecer tendo no coração uma prece pelo bem amado, e na boca, um canto de louvor.

~Gibran Khalil Gibran "O Louco: O Amor"

“When love beckons to you follow him, Though his ways are hard and steep. And when his wings enfold you yield to him, Though the sword hidden among his pinions may wound you. And when he speaks to you believe in him, Though his voice may shatter your dreams as the north wind lays waste the garden. For even as love crowns you so shall he crucify you. Even as he is for your growth so is he for your pruning. Even as he ascends to your height and caresses your tenderest branches that quiver in the sun, So shall he descend to your roots and shake them in their clinging to the earth……

But if in your fear you would seek only love’s peace and love’s pleasure, Then it is better for you that you cover your nakedness and pass out of love’s threshing-floor, Into the seasonless world where you shall laugh, but not all of your laughter, and weep, but not all of your tears. Love gives naught but itself and takes naught but from itself.

Love possesses not nor would it be possessed; For love is sufficient unto love. And think not you can direct the course of love, if it finds you worthy, directs your course. Love has no other desire but to fulfil itself.”

But if you love and must needs have desires, let these be your desires: To melt and be like a running brook that sings its melody to the night. To know the pain of too much tenderness. To be wounded by your own understanding of love; And to bleed willingly and joyfully.”

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Reality?

A mídia de massa tenta implantar rituais consumistas em sua mente, liberte-se desses rituais. Os rituais criados pelos meios de comunicação, seja Ídolos ou Campeonatos de Futebol, são criados com a intenção de subverter a resistência.

Os reality shows são criados com a intenção de absorver a ansiedade do povo explorado. Reality shows de televisão, como Survivor e Big Brother, são criados com a intenção de criar uma falsa e suspeita comunidade. 

São espetáculos midiáticos desprezíveis, que ensinam as pessoas a desconfiar de seus concidadãos para ganhar prêmios e dinheiro.

O Big Brother é um dispositivo perverso, concebido para preencher os corações das pessoas com medo e paranóia. Os revolucionários devem evitar todos os pensamentos paranóicos, o sistema não é onisciente ou que tudo vê, na realidade o sistema é muito frágil.

Os revolucionários devem aprender a investir sua energia na criação de rituais que subvertem o sistema ao invés de reforçá-lo. Você deve aprender a preservar suas energias vitais para o que mais importa: a revolução.

Fonte: Tradução livre de Noam Chomsky (@NoamChomski, via twitter, de 15 a 16/02/12)

Ficha Limpa já é, e agora?

Esse pessoal que está aí no governo sempre criticou o capitalismo, os EUA, os modelos financeiros e de gestão dos países mais ricos. Agora, que o Brasil está ficando rico fazem pior, capitalismo animalesco, injustiça social, diminuição de liberdades civis, alianças políticas esdrúxulas, obras faraônicas, especulação imobiliária... se todo dia diminuí a pobreza - o que dizem, mas na prática não vejo - também a cada dia cresce o abismo social.

Não é porque o povo está ganhando poder pra comprar bugigangas que está abandonado a pobreza. Temos os juros e a carga tributária das mais elevadas do mundo. Quanto custa 1 Kg de carne em nosso país? Cadê a taxação das grandes fortunas e a reforma agrária? Como dar moradia para todos com a especulação imobiliária sendo fomentada em todo território nacional? Esse governo que está aí governa para o povo ou para as grandes corporações?

As respostas são óbvias. As respostas estão no lucro dos bancos, das empreiteiras, de toda espécie de grande corporação devoradora da herança comum. A galera precisa se ligar e começar a formar opinião própria com respeito à ideologia política. As próximas eleições municipais será a primeira vez na história que os Ficha Suja vão ficar de fora, o filtro legalista – teoricamente - já existe... agora cabe ao povo filtrar e barrar qualquer candidato envolvido com o capital financeiro.

Se distancie de partidos políticos e candidatos que firmam compromisso com o capital especulativo, com corporações monstro, com a miséria humana. O caminho para a democracia real é por camadas, a primeira camada a ser removida é dos governantes e parlamentares que estão aí no poder há anos e nunca cumprem quando eleitos o que prometeram quando candidatos. Não reeleja, não vote em candidatos de alianças como PT/PMDB e PSDB/DEM, não vote em partidos reacionários como PR e PSD... Escolha melhor, pense melhor. Vamos ocupar o Rio, ocupar as ruas, ocupar as praças, ocupar o mundo.

P.S.: Veja quais são os atuais partidos atuantes no cenário político brasileiro e suas ideologias. Se você é uma pessoa bem informada irá perceber quem vai ao encontro da proposta ideológica inicial de sua legenda e quem vai de encontro, bate de frente com aquilo mesmo que propõe. Não deixe o rádio, a TV e a propaganda partidária (enganosa) fazer sua cabeça, faça-a você mesmo.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Grécia, a receita infalível para destruir um país

reprodução de: Carta Maior | Copyleft



O FMI e as autoridades financeiras da União Europeia aumentam a pressão sobre a Grécia e dizem que país "ainda não reúne todas as condições" para receber ajuda. Querem mais cortes de gastos públicos. Enquanto isso, na Grécia, crescem os casos de abandono de crianças e de desnutrição infantil, o desemprego bate na casa dos 20%, as camas dos hospitais foram reduzidas em 40%, alunos não receberam livros escolares e cidadãos deficientes, inválidos ou portadores de doenças raras tiveram subsídios e medicamentos cortados. Saiba como destruir um país e seu povo em nome da austeridade.
~Marco Aurélio Weissheimer


A Grécia deveria prestar atenção no que está acontecendo em Portugal, onde o governo decidiu cumprir tudo o que a troika (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) exigiu e a situação econômica do país só está piorando. A advertência foi feita por Landon Thomas, colunista econômico do jornal The New York Times, em um artigo intitulado Portugal’s Debt Efforts May Be Warning for Greece. Portugal, diz Thomas, vem fazendo tudo o que a troika exigiu em troca dos 78 bilhões de euros de “resgate” liberados em maio de 2011. No entanto, o resgate está fazendo a economia do país afundar cada vez mais no buraco. Neste momento, a Grécia está sendo pressionada a seguir o mesmo caminho para garantir um “resgate” de 130 bilhões de euros.

Em Portugal, o portal Esquerda.net destacou a advertência de Landon Thomas que vem apoiada em um dado eloquente: quando Portugal fechou o acordo para receber o “resgate” de 78 bilhões, a relação dívida/PIB do país era de 107%. Agora, a expectativa é que ela suba para 118% até 2013. Na opinião do colunista do New York Times, isso não se deve ao fato de que a dívida de Portugal está crescendo, mas sim ao encolhimento da economia do país. “Sem crescimento, a redução da dívida torna-se quase impossível”, resume. Os números mais recentes ilustram bem essa tese. O PIB português caiu 1,5% em 2011, sendo que, no último trimestre do ano passado, a queda foi de 2,7%. A taxa de desemprego no país chegou a 13,6% e o governo admite que esses números não devem melhorar em 2012.

Grécia “ainda não reuniu todas as condições”

A resistência da Grécia em aceitar os termos exigidos pelo FMI e pela União Europeia está fazendo aumentar o tom das ameaças dirigidas contra o país. Os ministros de Finanças da zona do euro cancelaram uma reunião marcada para terça-feira (14) para discutir a situação grega alegando que o país “ainda não reuniu todas as condições” para conseguir um novo empréstimo. As autoridades monetárias europeias querem que o governo grego especifique em que áreas serão executados cortes para atingir a meta de 325 milhões anuais exigida pelo bloco europeu. O problema é onde cortar na penúria? A cobertura jornalística sobre a crise na Grécia e em outros países europeus é abundante em números, mas escassa em relatos sobre os dramas sociais cada vez maiores.

Uma exceção nessa cobertura é uma matéria da BBC que fala sobre como a crise financeira grega causou tamanho desespero em algumas famílias que elas estão abrindo mão dos próprios filhos. Há casos de abandono de crianças em centros de juventude e instituições de caridade em Atenas. “No último ano, relatou à BBC o padre Antonios, um jovem sacerdote ortodoxo grego, “recebemos centenas de casos de pais que querem deixar seus filhos conosco por nos conhecerem e confiarem em nós. Eles dizem que não têm dinheiro, abrigo ou comida para suas crianças e esperam que nós possamos prover-lhes isso”. Até há bem pouco tempo, a Aldeias Infantis SOS da Grécia costumava cuidar de crianças afastadas de seus país por problemas com álcool e drogas. Agora, o problema principal é a pobreza (ver vídeo acima).

Crescem casos de abandono e desnutrição infantil

Segundo os responsáveis pelas Aldeias SOS está crescendo o caso também de crianças abandonadas nas ruas. De acordo com as estatísticas oficiais, 20% da população grega está vivendo na pobreza e cerca de 860 mil famílias estão vivendo abaixo da linha da pobreza. No final de janeiro, o governo grego anunciou que iria começar a distribuir vales-refeição para as crianças após quatro casos de desmaios em escolas por desnutrição. A medida, segundo o governo, seria aplicada principalmente nos bairros mais afetados pela crise econômica e pelo desemprego. Em um segundo momento, também receberiam os vales as famílias em situação econômica mais grave. “Há casos de alunos de famílias pobres que passam o dia todo na escola sem comer nada”, denunciou, em dezembro de 2011, Themis Kotsifakis, secretário geral da Federação de Professores de Ensino Médio.

Apesar desses relatos, para as autoridades do FMI, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia, a Grécia ainda não reuniu todas as condições para receber uma nova ajuda. A perversidade embutida neste discurso anda de mãos dadas com o cinismo. No dia 24 de janeiro deste ano, Sonia Mitralia, membro do Comitê Grego contra a Dívida e do Comitê para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo (CADTM), denunciou, diante da Comissão Social da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, em Estrasburgo, a crise humanitária sem precedentes que está sendo vivida na Grécia. Segundo ela, as medidas de austeridade propostas pela troika representam um perigo para a democracia e para os direitos sociais.


“Dizimaram toda uma sociedade europeia para nada”

Mitralia lembrou que as próprias autoridades financeiras admitem que, se suas políticas de austeridade fossem 100% eficazes, o que não é o caso, a dívida pública grega seria reduzida para 120% do PIB nacional, em 2020, ou seja, a mesma percentagem de 2009 quando iniciou o processo de agravamento da crise. “Em resumo, o que nos dizem agora cinicamente, é que dizimaram toda uma sociedade europeia...absolutamente para nada!”. Estamos vendo agora, acrescentou, “o sétimo memorando de austeridade e destruição de serviços públicos, depois dos seis primeiros terem provado sua total ineficácia. Assiste-se a mesma cena em Portugal, na Irlanda, na Itália, na Espanha e um pouco por toda a Europa, disse ainda Mitralia: afundamento da economia e das populações numa recessão e num marasmo sempre mais profundos.

Além do abandono de crianças e da desnutrição infantil, Mitralia aponta outros deveres de casa que estão sendo cobrados da Grécia e cuja execução é considerada insuficiente: o desemprego é de 20% da população e de 45% entre os jovens; as camas dos hospitais foram reduzidas em 40%; já não há nos hospitais públicos curativos ou medicamentos básicos, como aspirinas; em janeiro de 2012, o Estado grego não foi capaz de fornecer aos alunos os livros do ano escolar começado em setembro passado; milhares de cidadãos gregos deficientes, inválidos ou que sofrem de doenças raras tiveram seus subsídios e medicamentos cortados. Mas, para o FMI e a União Europeia, a Grécia ainda não está fazendo o suficiente...

Fotos: Um homem come uma refeição distribuída aos pobres , Thessalonique, setembro de 2011. (Presseurop)
Fonte: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=19620 - acessado em 16/02/12 as 20h00

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Mentes brilhantes e atitudes das Trevas

Postado por , em 12/02/12 (de ESQUERADA em ESQUERDA)

Esquerda: a prova que faltava!

Pessoas de Esquerda são mais inteligentes que as de Direita, aponta estudo

Um estudo canadense que inclui dados coletados por mais de 50 anos, diz que as pessoas com opiniões políticas de direita tendem a ser menos inteligentes do que as de esquerda. Ao mesmo tempo, adverte que as crianças de menor inteligência tendem a desenvolver pensamentos racistas e homofóbicas na idade adulta.

A pesquisa foi realizada por acadêmicos da Universidade Brock, em Ontário, e coletou a informação em mais de 15 mil pessoas, comparando o seu nível de inteligência encontrado na infância com os seus pensamentos políticos como adultos.

Os dados analisados ​​são dois estudos no Reino Unido em 1958 e 1970. Eles mediram a inteligência das crianças com idade entre 10 e 11 anos. Em seguida, são monitorados para descobrir suas posições políticas após 33 anos de idade. “As habilidades cognitivas são fundamentais na formação de impressões de outras pessoas e ter a mente aberta. Indivíduos com menores capacidades cognitivas gravitar em torno de ideologias conservadoras que mantêm as coisas como elas são, porque isso as fornece um senso de ordem”, dizem no estudo publicado no Journal of Psychological Science.

Segundo as conclusões da equipe, as pessoas com menor nível de inteligência gravitam em torno de pensamentos de direita, porque esse os faz sentir mais seguros no poder, o que pode se relacionaa com o seu nível educacional, inclui o jornal britânico.

Mas esta não é a única conclusão a que chegou o estudo

Analisados dados de um estudo de 1986 nos Estados Unidos sobre o preconceito contra os homossexuais, descobriu-se que pessoas com baixa inteligência detectado na infância tendem a desenvolver pensamentos ligados ao racismo e homofobia.

“As ideologias conservadoras representam um elo crítico através do qual a inteligência na infância pode prever o racismo na fase adulta. Em termos psicológicos, a relação entre inteligência e preconceitos podem ser derivadas de qual a probabilidade de indivíduos com baixas habilidades cognitivas apoiarem com ideologias de direita, conservadoras, porque eles oferecem uma sensação de estabilidade e ordem “, acrescentou.

“No entanto, é claro que nem todas as pessoas pessoas prejudicadas são conservadoras”, disse a equipe de pesquisa.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

3 Dicas pra ser um Revolucionário de Cuca Fresca

Para ser um revolucionário, você deve antes aprender a se acalmar. Você não pode deixar que o sangue lhe suba à cabeça muito rapidamente ou você não pode se tornar demasiadamente impulsivo. Aqui estão 3 dicas pra você manter a cuca fresca!

1) Nunca reaja a pessoas que estão tentando atacar você e sua visão de mundo. Tais reações fazem de você um reacionário, elas acabam apenas lhe trazendo incômodos e distraindo-o. Faça sua agenda de acordo com o seu próprio programa de ação.

2) Não fique obcecado com realizações materiais de seus sonhos revolucionários. Trabalhe duro, dedique sua vida à causa, mas não fique obcecado por antecipar e verificar os resultados de suas ações. Caso contrário, a decepção pode começar a rastejar em sua mente.

3) Não deixe-se tornar excessivamente sentimental com relação à revolução. Claro, a revolução é uma coisa maravilhosa, mas você não deve deixar que seus sentimentos perturbem a clareza e coerência de sua lógica revolucionária.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Jack Kerouac: As Pessoas que Mudam o Mundo

"Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que vêem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo são as que o mudam"

O que está em jogo é o futuro da espécie e não o sistema econômico

por Leonardo Boff ~ leonardoBOFF.com

Já disse neste espaço que as contribuições semanais do jornalista Washington Novaes de O Estado de São Paulo estão entre as melhores que se publicam na grande imprensa brasileira. Sempre atualizado, pertinente e com o enfoque nas mudanças necessárias. Este artigo é importante porque vários nomes da economia brasileira ou comentaristas econômicos estão despertando para a gravidade da crise ecológica e dos limites físicos do planeta Terra como André Lara Resende, Delfim Neto, Luiz Gonzaga Beluzzo e Miriam Leitão entre outros.Quando os economistas falam nestes assuntos é sinal de que a crise deve ser levada a sério, pois são eles que, por profissão, pensam a lógica e o destino do processo econômico, especialmente, o vigente, de viés capitalista em plena crise de seus fundamentos.

*****************

"É curioso e inquietante. À medida em que se vai o tempo e se aproxima o momento da realização da conferência Rio + 20 (que será em junho, no Rio de Janeiro), mais freqüentes se tornam as manifestações de dúvidas quanto à possibilidade de a discussão avançar em direção a formatos concretos de “governança planetária sustentável” e “economia verde” no plano global – seus temas centrais. Por que caminhos práticos e viáveis se chegaria aí, quando, neste momento de crise universal, nenhum país parece disposto a abrir mão de suas regras internas nem abandonar os tradicionais caminhos de aumentar a demanda, sobrecarregar o consumo de recursos naturais, para favorecer o crescimento econômico ? Como deixar de lado as fórmulas repisadas, do monetarismo absoluto ao keynesianismo e vizinhanças?

E, no entanto, lentamente a discussão e o noticiário parecem aproximar-se de um limite indesejado e execrado até em palavras – o da finitude dos recursos físicos, num momento em que o consumo global já está mais de 30% além da possibilidade de reposição planetária; em que já se perdeu também mais de 30% da biodiversidade total; e ainda é preciso avaliar as conseqüências de a população mundial caminhar dos 7 bilhões de indivíduos de hoje para 9 bilhões, pelo menos, até 2050. E isso obrigará só a produção de alimentos – para ficar em um único item – a aumentar 70%. Sem falar no bilhão de pessoas que passam fome, nos 40% da humanidade que vivem abaixo da linha da pobreza.

Bem ou mal, entretanto, o tema vai chegando à comunicação, com a força de diagnósticos e opiniões de economistas e outros intelectuais conceituados. Um deles (Os novos limites do possível) é do ex-presidente do BNDES e um dos autores do bem-sucedido Plano Real, André Lara Resende, que há poucos dias o publicou no jornal Valor (20/1/12 e ver O Globo de 5/2/12). Ali, entre muitas coisas, afirma ele que “não há mais como pretender que a economia mundial poderá continuar a crescer (…) Não há mais como contar com o crescimento da demanda de bens materiais para crescer. O crescimento pode não ser mais a opção de saída para a crise (…) Não há como viabilizar sete bilhões de pessoas com o padrão de consumo e as aspirações do mundo contemporâneo, nos limites físicos da Terra (…) O crescimento baseado na expansão do consumo de bens materiais está no seu capítulo final”. Subscrevendo a tese do economista Paul Gilding, da Universidade de Cambridge, pensa ele que “seremos obrigados a enfrentar uma parada brusca profundamente traumática”. E a reorganização da economia é “questão de, no máximo, uma década”.

Parece curiosa a evolução do pensamento do ex-presidente do BNDES. Porque no livro “O Rio é tão longe” (Companhia das Letras, 2011), que traz a correspondência de décadas entre Otto Lara Resende e Fernando Sabino, o pai de André, numa carta de 1959, conta que o filho, então com oito anos de idade, perguntou à mãe: “Se Adão e Eva não tivessem pecado, ninguém morria. Então, como é que ia caber tanta gente na Terra e como é que ia todo mundo comer ?” Observava Otto que “esse menino vai longe, acaba na Cofap.” Foi muito além,chegou à autoria, com outros economistas, dos planos Cruzado e Real, à presidência do BNDES, muitos caminhos. Mas agora, meio século depois, continua preocupado com a finitude de recursos.

Essa inquietação já estava presente no livro “O que os economistas pensam da sustentabilidade” (Editora 34 – 2010), já comentado neste espaço, onde André Lara Resende afirma que “estamos ameaçando perigosamente o sistema ecológico”; essa idéia “é absolutamente verdadeira e tem de ser enfrentada (…) Mais crescimento pode se tornar menos bem-estar (…) A restrição ecológica, sobre a qual não se prestava atenção porque parecia distante, hoje é premente”. E, pesando sobre tudo, a frase que se torna um desafio para os economistas e todos os que pensam: “O Estado-Nação se tornou uma coisa anacrônica (…) Você tem de ter um governo central, é óbvio, mas o mundo ficou pequeno (…) Quem está ameaçada é a humanidade, não o ecossistema”. Desafios gigantescos, compartilhados – em parte ou não – no livro com professores como Ricardo Abramovay, Edmar Bacha, Eduardo Giannetti, José Eli da Veiga, Besserman Vianna e vários outros. Abramovay chega a dizer que “o que está em jogo, hoje, em torno de uma questão de sobrevivência da espécie humana, não apenas da sobrevivência do sistema capitalista, mas da democracia e da civilização contemporânea, é a capacidade das economias descentralizadas de responder ao desafio da sustentabilidade”.

Sempre surgem vozes que colocam em dúvida diagnósticos com os do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Organização para a Alimentação e a Agricultura (ONU), Worldwatch Institute, WWF e muitos outros, que apontam para a inviabilidade dos caminhos que estão levando à exaustão de recursos – e à impossibilidade de, nos atuais padrões de produção, atender ao consumo futuro. Mas basta relembrar o estudo publicado já em 2007 pela revista New Scientist, comentado aqui (27/7/2007), mostrando que em pouco tempo de esgotarão as reservas conhecidas de vários dos minérios mais utilizados, inclusive em setores estratégicos, como chips de computadores, telefones celulares, catalisadores de veículos, células de combustível. Eles dependem de platina, índio, háfnio, térbio, tântalo, antimônio, zinco, cobre, níquel, fósforo e outros, todos com horizonte curto.

Ainda uma vez, é preciso pensar na situação privilegiada do Brasil em várias áreas – háfnio, níquel, tântalo, alumínio, estanho. E conceber estratégias adequadas, não apenas em termos econômicos, de crescimento de mercados, projeções de demandas etc. – mas de sustentabilidade. E não apenas em termos nacionais, mas globais. Os tempos que estão chegando são outros. É preciso ter competência e urgência."


sábado, 11 de fevereiro de 2012

Big Brother Brasil Um Programa Imbecil

O conhecido cordelista Antonio Barreto é professor, graduado em Letras Vernáculas e pós-graduado em Psicopedagogia e Literatura Brasileira. Tem gabarito e merece ser ouvido, especialmente pela Rede Globo de Televisão que deveria mostrar mais amor ao povo brasileiro do que ao dinheiro e retirar esse lixo cultural da grade de sua programação

Leonardo Boff 
19/01/2012

Big Brother Brasil Um Programa imbecil
Autor: Antonio Barreto, Cordelista natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.


Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.


Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.


Em frente à televisão
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.


Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.


O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.


Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.


Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.


Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Da muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.


Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social


Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.


Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.


A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.


Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.


Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.


Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.


É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.


Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.


A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.


E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.


E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.


E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados


Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.


A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.


Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.


Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?


Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal.
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal.


Fonte: http://leonardoboff.wordpress.com/2012/01/19/big-brother-brasil-um-programa-imbecil/

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Carta aberta às forças armadas e à Sociedade do Brasil

"Na Suécia, até o Exército pode fazer greve fora da época de guerra."
~Luiz Inácio Lula da Silva, 26/07/2001

Carta aberta às forças armadas de segurança do Brasil e à Sociedade


Pedro Rios na Cinelândia, em 09/02/2012, no palanque da assembléia dos
Servidores de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro
por Pedro Rios Leão* em 09/02/2012

Eu sou um anônimo. Cidadão comum, desempregado. Sem partido político, sem idéias prontas, sem nenhum grupo ou organização. Mas eu sei que: Somos todos bombeiros, somos todos policiais, somos todos professores, somos todos médicos, somos todos artistas, somos todos catadores, somos todos Pinheirinho. Somos todos ignorados. Somos todos oprimidos.

Eu fiquei 11 dias sem comer. Fiz um documentário chamado "eu queria matar a presidenta". E senti pavores de guerra, que eu não poderia sonhar que sentiria. Eu vi o pânico se instaurar pelo abandono das forças que devem proteger o povo. Eu presenciei a catástrofe que a ausência de uma força policial, que defenda a constituição, causa. E ainda, eu fiquei apavorado com a imagem dos bandidos correndo a solta, impunes. Por isso eu tenho um apelo desesperado a fazer: não negociem com bandidos! Só uma greve geral pode nos proteger agora! A revolta de vocês é a última esperança da justiça. Se os bandidos tomaram os governos, nada mais justo do que desafiar esses governos. E isso acontece há muito tempo, a mesma quadrilha de banqueiros, empresários, congressistas, juízes, fiscais, nos rouba e nos engana há mais de 40 anos.

Porque o governo não quer dar a dignidade salarial de vocês? Porque o governo premia os assassinos de São José, e pune barbaramente os rebeldes da Bahia? O Governo pratica essas ações porque muitos dos senhores viram que o crime não compensa, ninguém quer mais morrer a toa. Ninguém quer mais ser cão de guarda de bandido engravatado. E os de cima não fazem o serviço sujo. O governo pune os policiais que tentam ser honestos com essa ofensiva remuneração. E ainda usa a polícia para cometer seus crimes e direcionar ira do povo. Todo mundo sabe que a principal força de corrupção na polícia são as milícias. E para onde vai o dinheiro das milicias? Dinheiro sempre sobe. O Governador do Estado tem interesse na corrupção policial senão os pagava decentemente. Dinheiro há. Nós somos a quinta economia do mundo. Um estádio no Brasil custa muito mais do que em qualquer outro lugar do mundo. Até quando os senhores serão os bodes expiatórios de todo o ódio do sistema¿ Até quando vocês vão ser tão sujeitos e vítimas da violência, porque não é a classe média que está morrendo, muito menos os banqueiros, deputados e senadores.

Eu vi o Governador Geraldo Alckmin, agir como um capanga, líder de uma gangue, por mais de dez dias, para promover um roubo e o massacre de uma comunidade de mais de 6.000 pessoas. Roubo em prol de um banqueiro com larga ficha criminal. O mesmo que destruiu a bolsa do Rio. O governador expulsou a polícia federal à tiros. Um assessor da presidência foi baleado, e a resposta do governo foi "Isso é um problema do estado de São Paulo". O Governo Federal SABE, desde o dia 22 de Janeiro, que o que aconteceu em São José dos Campos foi um massacre. Financiado pelo sócio do Daniel Dantas. Qutro Banqueiro que a polícia federal prendeu. E que o presidente do supremo, a época Gilmar Mendes soltou sem maiores vergonhas. Do mesmo modo que o atual presidente do supremo, César Peluso, entregou um terreno de 400 milhões de reais, pertencentes a união, roubados de uma comunidade com sangue de pobre e tiro na polícia federal, para o Naji Nahas.

O judiciário funciona a revelia da justiça e da lei, a revelia da constituição. como tudo no Brasil, obedecendo a força política do dinheiro. Só nossas vozes unidas, de nós o povo, podem nos salvar. Vocês, policiais, são os maiores roubados, porque perdem suas vidas para cometer essas injustiças e serem odiados no lugar dos governantes. Mas vocês são as únicas armas que eles têm. Vocês precisam ter paciência com a sociedade, e a sociedade ter afeto com os senhores, para acabarmos com essa oposição absurda e sem sentido. Para que possamos começar a olhar para cima, todos juntos, em busca da mesma paz.

O Governo Federal abandonou a constituição. Os Governos estaduais abandonaram a constituição. A Justiça abandonou a constituição. E vocês sabem muito bem que a polícia sempre leva a culpa sozinha. Ou melhor, os policiais.Quem não comete injustiça, quem não lucra com a injustiça está agora sofrendo com ela. E nós somos a imensa maioria. O povo é a única força política no país capaz de defender a constituição. e só há paz dentro da lei e quando ela é igual para todos,

Quantos crimes o estado cometeu usando os braços dos senhores?. Aqueles policiais da bahia foram justos lutando contra o governo. Tentando despertar o povo. Porque o pânico é exclusivo para pobre? A sociedade TEM QUE acordar. Não precisamos queimar ônibus, basta darmos as mãos e não arredarmos o pé. e eu não vou sair do lado de vocês, enquanto a defesa for da sociedade, e não somente dos interesses de alguns. Os outros policiais de são josé dos campos, preferem meter o peito a tiro, virar a grande vergonha nacional, por causa de empresários mais sujos que muito assaltante. Quantos dos amigos dos senhores não morreram nessa "guerra", onde policiais e traficantes eram alimentados pelos mesmos safados que controlam o estado e o dinheiro.

Quantos Pinheirinhos o Governador Sérgio Cabral quer produzir com a força dos senhores para deixar a si próprio, ao senhor Ricardo Teixeira, e seus comparsas mais ricos? E adivinhem quem eles vão culpar depois que o povo vir cobrar?até quando vocês vão ser o bode expiatório dessa sociedade?
Nós temos que parar com as remoções.
Eu, como parte da sociedade,abraço a sua revolta e quero lutar ao lado de vocês.

Acharia hipócrita falar do policial corrupto, não há inocentes nesse sistema. Mas quero mostrar a todos que a única maneira de lutar por dignidade e melhoria de vida, lutar por calma, é lutando por todos com todos juntos. Não podemos parar de lutar agora. Não podemos nos deixar cooptar. Ninguém gosta de morrer a toa.

Eu ouvi muito que o Rio de Janeiro estava em guerra. E eu pergunto: "que guerra?" Seja Policial, seja pobre armado, traficante, seja morador, a única coisa que mata no Brasil é não ter dinheiro. Isso é um massacre, meus senhores.VAMOS PARAR ESSE MASSACRE.

Essa idéia de guerra, veiculada pela grande mídia, serve para fazer a população escolher um lado dos oprimidos para odiar e culpar enquanto os bandidos perigosos mesmo riem da nossa cara. Eu tenho muitos amigos de classe média e classe média alta que odeiam a policia. eu eu falo "isso porque a polícia existe para proteger seus privilégios, imagina se ela fosse o seu patrão?"

O mínimo que vocês tem que fazer é depor armas, se recusar a morrer por eles. A polícia não pode mais ser militar! Em nenhum país civilizado do mundo isso acontece.

Vamos ocupar as ruas! Vamos fazer o verdadeiro carnaval, sem tiros, com a sociedade unida INTEIRA. A festa da democracia. GREVE GERAL!!!! Pelos mortos de Pìnheirinho! Pela prisão de todos os criminosos desse país!

Pedro Rios Leão é cineasta e ativista social do movimento Ocupa Rio

Comentário:

O que defendo aqui - divulgando a carta aberta de Pedro Rios Leão - é o direito à greve dos bombeiros e policiais do Rio de Janeiro. Todos devemos ter o direito de entrar em greve por melhores salários e condições de trabalho. Só porque é Carnaval querem tirar o direito deles se manifestarem? O que é Carnaval? O 'Rei Momo' não me representa!

Não sou ligado a nenhum partido político há mais de 10 anos e a nenhum parlamentar ou dirigente sindical, meu intuito é apenas o de apoiar os movimentos que considero justos, e sempre respeitando sua AUTONOMIA.

Os policiais precisam participar do processo democrático, dissolver de vez aquele ranço da ditadura que separa o civil do militar. Os servidores de segurança pública tem que viver a democracia também dentro das Delegacias e quartéis estaduais da PM e Bombeiros, a democracia real, como esta feita em assembléia geral onde se decide por consenso e não por representatividade. 

Quem trabalha fardado também é explorado. Policiais, civis, militares, bombeiros, somos todos cidadãos brasileiros. Os problemas que afligem um também afligem outro. Hoje o maior problema no Brasil vai além da corrupção, é o tremendo abismo social que separa o 1% dos mais ricos dos 99% restantes. 

É pornográfico em um país subdesenvolvido como o nosso termos milionários desfilando de ferraris, iates e jatinhos particulares, voando de helicóptero pra cima e pra baixo com seus rolex de ouro no pulso. Hoje o Ronaldinho do Flamengo recebeu 4,5 milhões em salários atrasados pra não fazer mais corpo mole em campo e o povo, drogado pelo ópio da mídia, do espetáculo, ainda paga pra ir ver ele jogar. 

Isto é inteligência? Chega de rivalidade entre classes, entre torcidas, briga por causa de futebol e de partidos políticos que não nos representam. Juntos somos fortes, juntos somos um. Não temos cor de pele diferente, feições diferentes, somos todos da mesma espécie, somos seres humanos. DEMOCRACIA REAL JÁ!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Meu nome é medo

por Frei Betto | Escritor e assessor de movimentos sociais | via Adital e carta O Berro

Meu propósito é dominar corações e mentes. Incutir em cada um o medo do outro. Medo de estender a mão, tocar em cumprimento a pele impregnada de bactérias nocivas.

Medo de abrir a porta e receber um intruso ansioso por solidariedade e apoio. Com certeza ele quer arrancar-lhe algum dinheiro ou bem. Pior: quer o seu afeto. Melhor não ceder ao apelo sedutor. Evite o sofrimento, tenha medo de amar.

Quero todos com medo da comunidade, do vizinho, do colega de trabalho. Medo do trânsito caótico, das rodovias assassinas, dos guardas que intimidam e achacam. Medo da rua e do mundo.

Convém trancar-se em casa, fazer-se prisioneiro da fragilidade e da desconfiança. Reforce a segurança das portas com chaves e ferrolhos; cubra as janelas de grades; espalhe alarmes e eletrônicos por todos os cantos.

Faça de seu prédio ou condomínio uma penitenciária de luxo, repleta de controles e vigilantes, e no qual o clima de hostilidade reinante desperte, em cada visitante, uma ojeriza ao prazer da amizade.

Tema o Estado e seus tentáculos burocráticos, os pesados impostos que lhe cobra, as forças policiais e os serviços de informação e espionagem. Quem garante que seu telefone não está grampeado? Suas mensagens eletrônicas não são captadas por terceiros?

O mais prudente é evitar ser transparente, sincero, bem humorado. Sua atitude pode ser interpretada como irreverência ou mesmo ameaça ao sistema.

Fuja de quem não se compara a você em classe, renda, cultura e cor da pele; dos olhos invejosos, da cobiça, do abraço de quem pretende enfiar-lhe a faca pelas costas.

Tenha medo da velhice. Ela é prenúncio da morte. Abomine o crescimento aritmético de sua idade. Jamais empregue o termo "velho”; quando muito, admita "idoso”.

Tema a gordura que lhe estufa as carnes, a ruga a despontar no rosto, a celulite na perna, o fio branco no cabelo. É horrível perder a juventude, a esbeltez, o corpo desejado!

Tenha medo da mais terrível inimiga: a morte. Ela se insinua quando você fica doente. Saiba que ninguém está interessado em sua saúde. Em seu bolso, sim. Basta adoecer para verificar como haverão de humilhá-lo os serviços médicos e os planos de saúde.

Não se mova! Por que viajar, abandonar o conforto doméstico e se arriscar num acidente de ônibus, navio ou avião? Nunca se sabe quando, onde e como os terroristas atacarão. Quem diria que numa bucólica ilha da pacífica Noruega o terror provocaria um genocídio?

Meu nome é medo. Acolha-me em sua vida! Sei que perderá a liberdade, a alegria de viver, o prazer de ser feliz. Mas darei a você o que mais anseia: segurança!

Em meus braços, você estará tão seguro quanto um defunto em seu caixão, a quem ninguém jamais poderá infligir nenhum mal, nem mesmo amedrontá-lo.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Telejornalismo: A Greve de Fome que a TV não mostra

Na foto, de Rodrigo Ajooz, o ativista Pedro Rios participa de bate-papo,
transmitido pela internet em live streaming, na noite 31/01/12,
quando superava suas primeiras 48 horas em Greve de Fome
Se o cineasta Pedro Rios Leão - hoje ativista - em greve de fome de fronte a maior central de jornalismo da maior emissora de TV do Brasil, fosse cubano, chinês ou monge tibetano, estaria na capa dos jornais de maior circulação do país. Quem sabe se não fosse um brasileiro, em greve de fome por injustiça social e violação de direitos humanos, ele seria chamado de mártir pela ‘grande mídia’. Seria matéria de destaque nos principais telejornais e provocaria lágrimas de solidariedade nos leitores de teleprompter. Talvez seu ato virasse até poesia na boca de apresentador de reality show e tema de documentários jornalísticos.

Mas não, em se tratando da transparência na mídia brasileira é muito circo. Falam em futebol direto, no jornal local, depois no noticiário esportivo e ainda mais na edição nacional. Entre uma partida e outra é samba, carnaval, festa e denúncias vazias, pra cativo ver. O cidadão incauto e que não busca informação por conta própria fica lá, cativo, no sofá, olhando sombras na parede e achando que aquilo é o mundo real.

Pra contrabalançar a amostragem de polêmicas em outros países - eles adoram mostrar como a grama do vizinho é mais verde e ficar fuxicando sobre a vida dele – nos empurram notícias internacionais que pouco ou nada nos interessam. Por exemplo, você se interessa por Mitt Romney? Enquanto isso o abuso de poder, de autoridade e a corrupção crescem a galope em nosso país; tanto dentro das esferas do poder público - formado por funcionários pagos com o dinheiro do povo – quanto nas grandes corporações - que dependem da economia popular para prosperar.

A inversão de valores está fora de controle! Ou nós, do povo, fazemos alguma coisa e nos fazemos ser ouvidos, ou não haverá um futuro para o futuro da raça humana. A gente pode até não viver mais que 80 anos, vai embora, morre, mas nossos filhos, netos, bisnetos vão precisar de um planeta habitável pra viver.

Pedro Rios está em greve de fome por ficar indignado com o que foi feito em Pinheirinho, isto foi realmente, pra ele e muitos mais brasileiros e brasileiras indignados, a gota d'água. É como disse o próprio, a uma mulher que o inquiriu sobre o efeito que ele esperava, dizendo que o sacrifício que ele está fazendo é inócuo no macro-social: ‘você sabe uma represa, uma barragem ou um dique? Começa a pingar uma gota, vira um fio d'água, aparecem as rachaduras e sem ninguém esperar se rompe e ninguém segura a inundação’.

O ativista escolheu este local para sua manifestação não declarando guerra a uma emissora específica e sim em nome da transparência em toda produção jornalística de todas elas. O Pedro escolheu a central de jornalismo da maior emissora do país porque foi uma afiliada desta mesma emissora que deixou de mostrar fatos, através reportagens pífias, seja por interesse obscuro - como pensa o Pedro - ou mesmo, quem sabe, por falta de interesse ou incompetência.

Pedro Rios escolheu fazer seu protesto, pacífico, de fronte a emissora que representa a mídia de massa brasileira. O que esta gigante faz geralmente cai na graça dos telespectadores e acaba sempre sendo imitado, copiado pelas outras. A audiência é mantida cativa porque acredita que aquelas sombras, projetadas na parede de sua caverna, é espelhamento do mundo real. Parte dos cativos chega ao ponto, absurdo, de confundir personagens de ficção com a realidade. Dopados pelo ópio midiático perseguem personagens de novela nas ruas confundindo-os com os seres fictícios da teledramaturgia.

Outro fator que faz notícias vindas do estrangeiro serem mais isentas, com matérias mais bem contextualizadas e esclarecedoras, creio ser o fato de que a equipe do jornalismo internacional, das principais emissoras de TV aberta do país, é muito superior ao nacional. O problema começa nas regiões mais longínquas, nas cidades pequenas, nas afiliadas que retransmitem o sinal das grandes. Estas retransmissoras também são geradoras de conteúdo, que em sua quase totalidade, se trata de conteúdo jornalístico, e já começam errando quando faturam bem e pagam péssimos salários aos seus profissionais. Ou você acha que um jornalista de São José dos Campos ganha o mesmo que um do Rio de Janeiro ou de São Paulo? Não bastasse a questão logística e de recursos humanos, as afiliadas das grandes produtoras de conteúdo e geradoras de sinal, estão muitas vezes sob o comando de grupos com interesses políticos, quando não nas mãos dos próprios políticos.

Enquanto isso os responsáveis pelo jornalismo internacional tem profissionais do mais alto gabarito, bem preparados e remunerados, sob um comando muito mais isento e autônomo. Apresentando assim, ao grande público, um conteúdo jornalístico de qualidade infinitamente superior. Em termos comerciais, o jornalismo bem feito, se vende por si só, não tem a necessidade do constante e replicante apelo emocional, que acaba infantilizando o telespectador, em busca de maior produtividade e retorno financeiro. O jornalismo local parece subestimar o perfil do telespectador mais antenado, conectado.

Enquanto os telejornais locais competem entre si, o jornalismo internacional não encontra concorrência. Todas as emissoras mantém uma mesma linha de atuação no exterior, pois estando em solo estrangeiro encontram a competitividade de gigantes como: CNN, BBC, AFP, Telesur, Al Jazeera...

Há um desequilíbrio. Percebe-se, sem muito esforço, que o telejornalismo nacional, produzido e divulgado em nosso país, ainda faz muita confusão de interesses. Mostra o que eles (editores) acham que é de interesse do público, pensando demasiadamente na parte comercial e de relações com o poder público, pecando e deixando em segundo plano o que é de interesse público.

O conteúdo produzido com base no que se pensa ser de interesse do público é aquele conteúdo empurrado aos telespectadores, usando como referência o que os editores acham que o público gostaria de ver, como, por exemplo: esportes violentos, crimes banais, sexo, crenças tolas e modismos. Este tipo de jornalismo, se é que se pode chamar isso de jornalismo, parece ter como escopo apenas audiência e lucro, naquela velha, perversa e insustentável crença de que existe acumulação eterna. Já o conteúdo produzido com foco no interesse público é aquele que mostra a verdade nua e crua, doa a quem doer. O conteúdo de interesse público, por vezes, pode até abranger fatos que - ao contrário do ainda teimam em ensinar nos cursos superiores de comunicação, baseados em modelos de gestão ultrapassados - o público supostamente não teria interesse em saber, e que poderia prejudicar a veiculação comercial que faz a TV aberta ser um negócio rentável.

Não sou daqueles radicais que acha que por ser a TV aberta uma concessão pública, eles não tem direito a lucrar com o negócio. Sim, eles têm o direito de lucrar, mas para tudo há limite. Não vejo vantagem alguma em se deixar a audiência na obscuridade do ignorantismo. Parece-me crueldade a exploração comercial dos sentimentos do telespectador. Se venda é emoção e se usam a emoção para vender, isto deveria ser considerado crime de estelionato sentimental.

Vão dizer: ‘e o cara que está lá em greve de fome, não está apelando para os sentimentos da população?’. Sim, realmente está, mas ele não está vendendo nada, não espera retorno financeiro com seu ato e sim espera que seja feita justiça. E se disserem: ‘á, mais o cara é louco de fazer isso!’. Pode até ser, mas aí um louco está lá fazendo o que os que se dizem sãos não fazem, e por todos nós. Aí é minha vez de perguntar: por que uma pessoa que está em greve de fome há 3 dias, protestando e fazendo graves denúncias à violação de direitos humanos na desocupação de Pinheirinho, é solenemente ignorada pela ‘grande mídia’?

Será que o jornalismo brasileiro está virando uma boutique, será que morreu? Alguém viu ou ouviu falar? Cadê aquele jornalismo do tempo anterior a ditadura militar, cadê aquele jornalismo do tempo anterior a ditadura Vargas? Não seria hora de remodelar este jornalismo nascido na queda da bastilha e adaptá-lo à Era da Informação e do Conhecimento? Jornalismo é notícia pura, é a vida em movimento, é tudo que faltou na cobertura de Pinheirinho e falta na cobertura da greve de fome de Pedro Rios Leão, mas não falta nas coberturas internacionais. Em minha ótica, não há jornalismo de verdade que sobreviva, quando se perde a noção de equilíbrio, entre o que é INTERESSE DO PÚBLICO e o que é de INTERESSE PÚBLICO.

Cobertura participativa

Não tenho equipamento ou ilha de edição profissional - como as grandes emissoras-; mas usando uma simples câmera fotográfica digital e um programa de edição de vídeo amador, registrei a noite em que Pedro Rios iniciou sua greve de fome:

Greve de Fome em protesto à desocupação de #Pinheirinho


#Pinheirinho :: Greve de Fome :: 2ª Parte da entrevista com Pedro Rios


http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed680_a_greve_de_fome_que_a_tv_nao_mostra
http://rogeliocasado.blogspot.com/2012/02/greve-de-fome-que-tv-nao-mostra-qtmd.html
http://blogdabellisboa.blogspot.com/2012/02/greve-de-fome-que-tv-nao-mostra.html
http://quemtemmedodademocracia.com/2012/02/07/a-greve-de-fome-que-a-tv-nao-mostra/
http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=175286&id_secao=6