quinta-feira, 24 de julho de 2014

Redução de danos :: Cigarro eletrônico compensa?




Os cigarros eletrônicos, ou e-cigs
Os cigarros eletrônicos, chamados e-cigarretes, e-cigs ou apenas e-ciggy, nao são muito comuns no Brasil porque sua comercialização; bem como sua importação, propaganda, publicidade e promoção - inclusive na internet - é proibida pela ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária). Mas, mesmo assim, não é difícil adquiri-los aqui pela Internet, ou em lojinhas de contrabando do Paraguai.

Segundo dados de fevereiro de 2014, nos Estados Unidos, em menos de dez anos, as vendas do cigarro eletrônico atingiram 1,7 bilhão de dólares, 650 milhões de dólares na Europa. Alguns especialistas chegaram a dizer que o cigarro convencional sairia de circulação, devido ao sucesso de seu sucessor eletrônico.

Os e-cigs foram criados tendo em vista a reducao de danos, como uma opçao menos nociva à saude, para auxiliar os tabagistas que desejam largar o vício nos cigarros tradicionais. Isto pois os cigarros eletrônicos permitem que o fumante controle controle os níveis de nicotina que ingere.

Teoricamente o fumante poderia reduzir gradativamente os níveis de nicotina ingeridos, até chegar a zero. Entretanto um grupo de cientistas da AAPC (Associaçao Americana de Pesquisa para o Câncer) comprovaram recentemente; por meio de testes, expondo células brônquicas ao vapor dos e-cigarretes, que as células pulmonares sofrem alterações num padrao equivalente às daquelas expostas aos cigarros comuns.

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável. Estima-se que, no mundo, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas adultas sejam fumantes. No Brasil, segundo dados de 2008 da Pesquisa Especial de Tabagismo (Petab), do IBGE, 17,5% da população a partir dos 15 anos é fumante, o que equivale a 25,5 milhões de pessoas. 

Esse alto consumo de cigarro provoca 4,9 milhões  de mortes todos os anos, já que o tabagismo está ligado  a 50 tipos de doenças, entre elas câncer de pulmão e de faringe e problemas cardiovasculares. Ao fumar, são introduzidas no organismo mais de 4.700 substâncias tóxicas e pelo menos 69 são potencialmente cancerígenas.

Em carta aberta, mais de 50 pesquisadores e profissionais de saúde estão apelando à Organização Mundial de Saúde (OMS) para que “resista à ânsia de controlar e suprimir o uso de cigarros eletrônicos”.




A carta diz que os aparelhos “podem ser uma “inovação significativa para a saúde”.

Mas instituições ligadas à saúde, entre elas a Faculty of Public Health – a Faculdade de Saúde Pública da Grã-Bretanha – dizem que ainda é cedo demais para sabermos se os benefícios da tecnologia superam os possíveis riscos. A OMS disse que ainda não decidiu que recomendações fazer a governos sobre a questão.

A carta foi divulgada em antecipação a importantes negociações internacionais sobre políticas em relação ao tabaco que devem acontecer neste ano.

Grupos favoráveis ao cigarro eletrônico argumentam que o produto oferece uma opção de baixo risco para fumantes. Eles temem que os aparelhos sejam alvo de controle excessivo e que sejam excluídos de campanhas publicitárias. Na Grã-Bretanha, houve grande crescimento no mercado de cigarros eletrônicos, mas autoridades de saúde no país dizem que eles não são isentos de riscos.

Um relatório encomendado recentemente pela Saúde Pública da Inglaterra disse que cigarros eletrônicos requerem “monitoramento cuidadoso e controle de riscos” para que seus benefícios sejam maximizados. A carta foi assinada por 53 pesquisadores – entre eles, especialistas em políticas de saúde pública e especialistas como Robert West.

West publicou um estudo concluindo que cigarros eletrônicos têm mais probabilidades de ajudar uma pessoa a abandonar o fumo do que alguns métodos convencionais. Outros especialistas que assinam a carta trabalham em pesquisas sobre a ciência do tabaco e a supressão do hábito de fumar.





A carta diz: “Estes produtos podem estar entre as mais significativas inovações para a saúde do século 21 – salvando, talvez, milhões de vidas”.

“Se os reguladores tratarem produtos de nicotina de baixo risco da mesma forma como tratam produtos de nicotina tradicionais (…) estarão, erroneamente, definindo esses produtos como parte do problema”.

“Os reguladores deveriam evitar dar apoio a medidas que poderiam ter o efeito perverso de prolongar o consumo de cigarros”.

“A classificação desses produtos como tabaco nos preocupa bastante e pode trazer mais danos do que benefícios”.

“O potencial de produtos que diminuem os efeitos danosos do tabaco na redução do do fardo de doenças associadas ao fumo é muito grande”.

Os envolvidos na elaboração da carta citam um documento interno da OMS que se refere a cigarros eletrônicos como uma “ameaça (…) que pode resultar em uma nova onda da epidemia de tabaco”.

O tratado da OMS para o controle do tabaco cobre atualmente 178 países e 90% da população.

Cigarros eletrônicos são movidos a bateria e tentam imitar a experiência do fumar convencional. Os usuários inalam vapor de um líquido aquecido que contém uma concentração de nicotina.

West, professor da University College London, disse à BBC que esses produtos deveriam ser “regulamentados de maneira apropriada” e explicou que são muito mais seguros do que os cigarros convencionais. Ele pediu “regulamentação sob medida”, o que incluiria proibição de venda para menores de 18 anos e publicidade direcionada para os que já são fumantes.

Crítica

Um porta-voz da OMS disse que a organização “está trabalhando atualmente nas recomendações sobre regulamentação e marketing de cigarros eletrônicos”.

“Também estamos trabalhando com órgãos nacionais de regulamentação para considerar as opções regulatórias e com especialistas em toxicologia para compreendermos melhor o possível impacto dos cigarros eletrônicos e aparelhos similares sobre a saúde”.

A British Medical Association (Associação Médica Britânica, BMA, na sigla em inglês) pediu que os aparelhos sejam melhor regulamentados na Grã-Bretanha. A diretora da entidade, Vivienne Nathanson, disse à BBC que há evidências de que crianças que nunca fumaram estão começando a usar cigarros eletrônicos, influenciadas por campanhas de marketing.

“Como os cigarros na década de 50 e 60, realmente precisamos ficar atentos a isso e, eu acredito, proibir (a propaganda) para impedir que sejam anunciados de uma forma que atraia as crianças”, acrescentou.

Outro especialista, o professor Martin McKee da London School of Hygiene and Tropical Medicine, disse que seria “prematuro” advogar o uso de cigarros eletrônicos até que sua segurança tenha sido estabelecida.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando os sites:  

A QUÍMICA DO CIGARRO - INFOGRÁFICO

2 comentários:

Blogger disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ed Devin disse...

If you are searching for the best rebuildable dripping atomizer for beginners, the aegis geekvape mod price is the perfect choice. This stylish device is light and easy to handle. Newbies rave about how easy it is to refill, which sets it far above many competing devices. The battery never gets a bad review because of vandyvape mesh 24 rta's legendary capacity. New vape users love the rich and thick vapor produced by this high-performance device.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...