sábado, 18 de novembro de 2017

Smartphone é visto em quadro de 1860!




Outra vez! Apareceu mais um quadro antigo, com uma pessoa segurando o que parece ser um telefone celular. Seria viagem no tempo ou mera associação feita pela nossa mente? 
 
No detalhe, a camponesa
Uma obra pintada em 1860 faz sucesso porque pessoas estão vendo um celular no quadro - Forma de interpretar a pintura pode estar associada ao contexto que vive a sociedade - afinal nos dias de hoje todos têm celular, ou não...

Uma mulher caminha despreocupadamente enquanto segura, com as duas mãos, um curioso objeto em suas mãos, para o qual olha atentamente. 

Essa é a descrição de uma cena vista diariamente, e entre as mãos, claro, podemos facilmente imaginar um telefone celular. Agora imagine a mesma cena, se a imagem for uma pintura feita em 1860, o que poderíamos pensar?

A imagem The Expected One (O Esperado), do artista escocês Ferdinand Georg Waldmüller, está causando um grande agito na internet, viralizando principalmente nas redes sociais. Todo o alvoroço está sendo causado porque as pessoas estão vendo um celular entre as mãos da camponesa.

Mas como é possível? Seria a camponesa uma viajante do tempo?

'O Esperado', de Georg Waldmuller.  Foto: Die Erwartete, Georg Waldmuller/Wikimedia Commons

À Vice, Peter Russell, ex-funcionário do governo escocês e autor de um blog de poesia, comentou que uma das explicações seria que as pessoas entendem as situações de acordo com o que está em seu contexto. Se a sociedade vive "a era do smartphone" seria quase intuitivo ver um celular, mesmo em um quadro de 1860. 

No Twitter, o repórter Brian Anderson questionou se todos veem um celular. Os usuários mais atentos notaram que o objeto guardado entre as mãos é uma bíblia, um espelho ou um livro religioso, como era comum na época retratada na pintura. Fato é que olhando à imagem logo associamos o objeto que está nas mãos da camponesa com um smartphone.


O debate acontece também no quadro Mr. Pynchon and the Settling of Springfield (Mr. Pynchon e a Colônia de Springfield), de 1937, no qual um homem parece usar um celular para fazer uma selfie.  

O problema é que, tal como acontece com a tela The Expected One,  de 1860, na época (1937) também ainda não havia dispositivo eletrônico algum, sequer os transistores haviam sido inventados,  muito menos internet ou telefones sem fio, o que leva longe a imaginação humana. Seria mesmo uma mera associação feita por nossa mente ou uma prova incontestável de viagem no tempo, o que você o que acha?

Recomendado para você

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Sim, vegetarianos também matam animais para se alimentar




"Veganos e vegetarianos dizem que não matam animais, mas eles matam" - No ano passado, Claudio Bertonatti, um dos mais renomados naturalistas da Argentina, escreveu um artigo que desencadeou um terremoto. O tsunami chegou até aqui e é provável que se prolongue ainda mais.

Em seu artigo, "A Confusão Vegana", ele adverte que comer legumes não impede a morte de animais. Bertonatti enfureceu milhares de veganos e vegetarianos, bem como outros conservacionistas da natureza. No entanto, muitos que leram seu artigo aprenderam algo sobre os direitos dos animais que talvez nunca tenham ocorrido a eles de outra forma.

Nós falamos com Claudio sobre sua idéia que fez tremer a terra e discutimos os pontos mais importantes da controvérsia.

Claudio, você era vegetariano. O que o fez decidir se tornar um?

Como adolescente, eu me interessei pela natureza. Eu pensei que, tornando-me um vegetariano, eu evitaria matar tantos animais. Mas então eu mudei de idéia.

O que aconteceu?

Comecei a estudar a natureza e a sair para o campo para observar a vida selvagem. Percebi que nos campos das culturas agrícolas não havia pássaros, e os poucos que estavam lá estavam sendo perseguidos. Então comecei a estudar anfíbios, mamíferos, répteis e peixes e percebi que estava confuso.

Como?

Como vegetariano, eu estava ajudando a prevenir a morte e o sofrimento de animais domésticos, mas não de espécies selvagens. E muitas dessas espécies - ao contrário de vacas, porcos e cabras - estavam desaparecendo. Então, voltei a ser um omnívoro.

O que levou você a escrever o artigo?

Na Argentina, encontro muitas pessoas que afirmam ser defensoras da natureza porque não comem carne nem usam couro. Eles pensam que sendo veganos ou vegetarianos impedem que os animais morram. Não é verdade.

Por quê?

A partir do momento em que os seres humanos começaram a criar gado e adotar agricultura, geramos um impacto. Não existe nenhuma espécie animal cuja sobrevivência não resulte na morte de outros animais, direta ou indiretamente. Eu entendo que isso pode ser uma realização dolorosa. Eu também gostaria de viver num mundo ideal, mas essa não é a realidade. Muitos veganos e pessoas que só usam algodão parecem acreditar que não causam mortes, mas sim.

Mortalidades indiretas?

Trigo, arroz, milho. A maioria dos veganos come essas coisas. O primeiro impacto do cultivo em massa é o desmatamento: forçamos a natureza a criar espaço para as culturas. Na Argentina, incendiaram a selva, ardendo ninhos com lança-chamas. Então eles devem defender a terra semeada dos pássaros que se alimentam; Muitos fazendeiros fazem isso espalhando grãos envenenados. Depois disso, os herbívoros selvagens procuram os primeiros rebentos, de modo que os proprietários colocam cercas elétricas ou caçam os animais com armas.

O que acontece durante a colheita?

A terra é fumigada para combater fungos, insetos e outras plantas. Os animais que foram expulsos se deslocam para outras áreas que já apoiam animais: o hotel está totalmente reservado. Assim, os animais vão para campos de cultivo vizinhos e outra onda de impactos é gerada.

Em contraste, ele diz, em campos dedicados ao gado existem mais espécies de outros animais.

Há muitas pastagens selvagens na Argentina. Você pode caminhar e encontrar tudo: anfíbios, répteis, pássaros. Claro, estaria mentindo se dissesse que há a mesma variedade de animais que você obteria se as vacas não estivessem lá. O agricultor também persegue a vida selvagem e mata todos os animais que ele considera prejudiciais à produção. Mesmo assim, o impacto é menor. Quando digo isso, muitas pessoas sentem que estou encurralando.

Em que sentido?

No sentido de que não há escapatória: se você come carne, mata animais, mas também os mata comendo plantas. Muitas pessoas que se preocupam com questões ambientais buscam por caras ruins e caras maus, mas não é assim: é muito mais complicado.

Dê-nos um exemplo...

Há muitas pessoas aqui demonstrando e dizendo "Não à mineração". O slogan deve ser "Não para a mineração que explora imprudentemente recursos e pessoas". Os ativistas usam computadores que não existiriam sem os metais trazidos das minas. Estou surpreso que eles não tenham uma compreensão do todo.

O que você acha da maneira pela qual a carne é produzida em massa - a indústria da carne?

É uma tragédia. Feedlot e a maioria dos matadouros na Argentina são modelos de crueldade irrestrita. Eu nunca poderia fingir o contrário!

Há evidências de que os recursos necessários para a carne são muito maiores do que os necessários para os vegetais. E, que os cultivos constituem uma grande parte desses recursos: uma alta porcentagem deles é usada para alimentar o gado.

Isso é verdade. Eu sei que a maioria das culturas de soja são usadas para esse propósito. Não estou dizendo que os veganos são estúpidos ou que todos se tornem carnívoros, só estou dizendo que é importante ser sensato, adotar uma posição inteligente e mostrar solidariedade.


O que é uma posição inteligente?

Mostrando solidariedade com a natureza: o menor mal. É importante incentivar o consumo responsável e a morte humana de animais. Mas para um fundamentalista, é um pecado mesmo mencionar a morte. O que mais devo chamar? Eutanásia?

Se eu entender corretamente, sua intenção é alertar veganos e vegetarianos que o impacto zero é impossível.

A maioria de nós vive nas cidades e conhece muito pouco sobre o mundo animal. Pergunte aos seus amigos se eles podem nomear 10 animais e 10 plantas selvagens nativas da área em que vivem.

Nós provavelmente não seríamos capazes disso.

Se não sabemos nada sobre a natureza e a diversidade, não poderemos valorizá-la. Nosso universo é limitado ao que vemos: cães, gatos, galinhas, porcos, patos, vacas. Nossa sensibilidade se estende apenas para eles. É como olhar através de um buraco da fechadura. O mundo é maior do que isso e muito mais complexo, quer você o aceite ou não.

Você fala como se conhecesse muitos fanáticos...

Existem carnívoros e veganos fundamentalistas. Como cientista, quando os ouço falar com esse tom confiante - tão faltam dúvidas - isso me assusta. Os fundamentalistas apenas prestam atenção às pessoas que pensam como agem como eles e vêem todos como inimigos. É uma contradição.

O que?

Para um carnívoro ser violento é lógico, mas para um vegano ser violento é filosoficamente inconsistente.

Você conheceu veganos violentos?

Eu era o diretor-gerente do Zoológico de Buenos Aires. Eu renunciei porque tentei transformá-lo em um centro de conservação para espécies ameaçadas de extinção, mas não consegui. Havia esses veganos que paravam na frente do zoológico, gritando para as famílias que entraram, chamando-os de assassinos. Isso prejudica o veganismo. 

As pessoas pensam: se isso é veganismo, eu não quero nenhuma parte disso. Nem todos os veganos são assim, é claro. Mas há muitas pessoas que desenvolvem uma grande empatia apenas pelos animais domésticos. Muitos deles acabam odiando pessoas e isso é uma patologia: não é saudável.

Em seu artigo, você diz que se toda a raça humana de repente se tornasse vegana, seria uma tragédia. Mas alguns dizem que se todos nós fôssemos veganos, então precisaríamos de menos colheitas do que nós como omnívoros.

Eu escrevi o artigo como uma forma de gerar debate no meu país, onde a compreensão do movimento vegano na análise ambiental geralmente é bastante instável. Se toda a raça humana se tornasse vegana por esse tipo de pensamento (sem contar outras razões filosóficas, religiosas ou de saúde), seria uma tragédia porque não entenderíamos os problemas ambientais do mundo.

Você não está convencido pelas estatísticas.

Se um veganismo bem compreendido contribui para melhorar o mundo natural, então, com prazer, me tornarei um vegano. Minha principal preocupação é a conservação da biodiversidade: que a riqueza da vida na Terra não se torne empobrecida.

Mas, novamente, se todos na Argentina fossem veganos, isso não exigiria menos cultivo?

Eu não sei. Eu não acho que você precisa ser vegano para conservar a natureza e a biodiversidade. Não sou especialista em desenvolvimento de produção agrícola, mas do que sei sobre o meio ambiente, é sempre melhor diversificar a produção. Deve haver colheitas, vacas, apicultores ... diversidade.

Que deficiências você vê no movimento vegano?

Nunca os vejo lutando pela criação de novas áreas protegidas ou pela luta contra o tráfico ilegal de animais selvagens. Eu os vejo protestar por touradas, que já não acontecem na Argentina e nos matadouros. É como se eles apenas se preocupassem com animais domésticos que, novamente, não estão em perigo de extinção. Não estou dizendo que está errado - só que há muito mais para isso.

Em geral, você acha que não há suficiente conexão entre o veganismo e a consciência ambiental?

O que eu acho perigoso é que você gastar toda sua energia tentando salvar o gato preto, sem saber nada sobre o meio ambiente, porque talvez você esteja desperdiçando sua energia; talvez sua energia tenha um impacto maior em outros lugares. 

É importante ter uma visão ampla: pode ajudá-lo a analisar sua situação melhor. Se, depois, você ainda quer dedicar sua vida a salvar gatos pretos, isso é ótimo, eu aprecio isso. Defender os direitos dos animais não é incompatível com a conservação da natureza.

Claramente, há um conflito entre ambientalistas e ativistas dos direitos dos animais e definitivamente terá um grande impacto no futuro da humanidade.

Isso me lembra um pouco dos partidos políticos de esquerda: eles agem como inimigos e, no entanto, são muito semelhantes e devem ser aliados. Você sabe quem é o maior inimigo da conservação da natureza?

Quem?

Pessoas indiferentes. Muitas pessoas indiferentes acreditam que todos os que se preocupam com o meio ambiente são os mesmos: não comemos carne, somos bons vegetarianos que nunca fazem sexo. Não é verdade. Nós somos pessoas normais!

A morte é uma parte da natureza. Misturar sentimentos com a ciência não parece muito científico. Por outro lado, a consciência humana é importante, como é nossa responsabilidade para uma indústria pavorosa e pesada. Quem está errado?

Os erros são feitos em ambos os lados. Os ecologistas tendem a pensar que os veganos e os vegetarianos são apenas sentimentais. Por outro lado, a indiferença de alguns veganos com animais selvagens e biodiversidade me preocupa: não é consistente. 

Eu reconheço o fato de que a humanidade é uma máquina que devora o mundo. Um antropólogo disse que somos cosmofágicos: devoramos o que nos rodeia.

Você está feliz com o motivo do seu texto?

Muitas pessoas me insultam e me atacam dizendo que matei um urso polar, o que não é verdade. Outros me fornecem novas perspectivas para as quais agradeço. Eu sou apenas um jornalista da conservação da natureza, um jardineiro, e eu estive errado muitas vezes. Eu faço o meu melhor, mas não me ofende para descobrir que eu estou errado. Eu penso como um cientista, não como um fundamentalista.

Você não precisa ser vegano para conservar a natureza e a biodiversidade

Texto traduzido de: PlayGround, por Ciência Repensada (reprodução)

Recomendado para você

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Grileiros de terra ameaçam geoglifos de Palpa e Nazca





A Orca, o novo geoglifo de Palpa e Nazca que surpreende o mundo após sua restauração - O impressionante patrimônio cultural foi recuperado pelos arqueólogos, mas corre risco por causa de grileiros de terra, que cercaram a área e impedem o acesso aos turistas.

Os achados arqueológicos nos pampas de Nazca e Palpa continuam a surpreender o mundo e não que esta iconografia seja nova. Desta vez se trata da recuperação de um enorme geoglifo que representa uma orca, um cetáceo que faz parte da cultura Nazca. Após 50 anos de sua descoberta, o estado peruano conseguiu recuperar o geoglífo de La Orca, que está desenhado ao lado de uma colina fora de Palpa, em Ica.

A Orca é um dos desenhos mais enigmáticos e antigos do circuito Palpa-Nazca. O cetáceo que vive em todos os mares do mundo, é conhecido como a "baleia assassina" por sua ferocidade e grande tamanho. Mas, no antigo Peru, os Nazca consideraram que se tratava de uma divindade ligada ao mar e ela também foi representada em sua delicada escultura de cerâmica.

A cultura Nazca considerou a orca como
uma divindade ligada ao mar e
representada em suas finas esculturas em cerâmica
O geoglifo da orca foi fotografado no início dos anos 60, do século passado, e já era considerado desaparecido até que foi novamente identificado. A baleia assassina mede 60 metros e foi recuperada pela equipe de arqueólogos do escritório descentralizado de Cultura Ica, liderada por Johny Isla.

"Ao contrário das linhas de Nazca, o geoglifo de Orca é desenhado ao lado de uma colina, o que indica que é um dos primeiros geoglifos da região", diz Isla e reconhece que "existem outros geoglifos deste tempo em Palpa, algo que quase não ocorre em Nazca, onde a maioria das linhas e geoglifos são desenhados em áreas planas ".

Deve-se salientar que este sítio arqueológico está em risco por causa dos grileiros de terra presentes na área, eles cercaram o território para restringir o acesso e tomar posse do local. Uma vez que o consideram uma "posse" eles impedem o acesso ao sítio e que este se torne uma potencial atração turística para a região de Ica.

O desenho gigantesco que foi gravado na encosta de uma colina localizada nos arredores de Palpa, na região de Ica, conhecida por ser o lugar onde viveu e estudou - essa cultura impressionante - a arqueóloga Maria Reiche.

[Fonte: Tiempo26 | Dados: República | Imagem da capa: San Telmo Exposition, Wikipedia]

Recomendado para você

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Em 10 anos robôs podem substituir 4 milhões de trabalhadores na GB




Um novo estudo sugere que até 4 milhões de trabalhadores humanos podem ser substituídos por robôs na próxima década - isso apenas na Grã-Bretanha... A questão é: podemos encontrar novos papéis para essas pessoas preencherem?

Robôs para os negócios

Os robôs podem substituir trabalhadores humanos em até 4 milhões de empregos, na Grã-Bretanha na próxima década, de acordo com um estudo conduzido pela empresa britânica de pesquisa de mercado YouGov, em nome da Royal Academy of the Arts. Isso representa 15% da força de trabalho no setor privado do país.

Os pesquisadores questionaram os líderes empresariais sobre como eles vêem a automação e a inteligência artificial afetando suas indústrias nos próximos anos. Mais de 20% dos empregadores em finanças, contabilidade, transporte e distribuição declararam que esperam que mais de 30% dos empregos no campo sejam automatizados até 2027.

Já vemos mais robôs entrando para a força de trabalho, em funções que vão desde trabalhos robóticos em construção até drones que podem fornecer suprimentos médicos vitais. A nova tecnologia está oferecendo benefícios para o mundo do trabalho que simplesmente não podem ser ignorados, mas é crucial que consideremos o impacto que ela terá sobre a sociedade como um todo.

Principalmente, as empresas têm de garantir que os milhões de trabalhadores que são substituídos por robôs e outros sistemas automatizados não serão deixados para trás.

Nós e as máquinas

Muitos robôs simplesmente estão melhor equipados para realizar tarefas menores do que os humanos. Eles não se aborrecem, eles podem ser projetados para um propósito específico, e se eles quebram, geralmente podem ser consertados com relativa facilidade. Nós simplesmente não podemos competir em condições equitativas - mas podemos trabalhar junto com nossos colegas sintéticos.

Os robôs podem aumentar a produtividade geral fazendo os trabalhos sujos, difíceis ou desagradáveis ​​que os trabalhadores humanos prefeririam evitar. Isso liberta essas pessoas para executar tarefas que exigem um nível de julgamento ou pensamento original de que um robô não seria capaz de fornecer. Muitos especialistas argumentam que podemos ter o melhor de ambos os mundos.

"O Reino Unido deve aproveitar ao máximo as oportunidades econômicas que as novas tecnologias oferecem", disse Frances O'Grady, secretário-geral da federação sindical nacional britânica do TUC, falando ao The Guardian. "Robôs e AI (Inteligência Artificial) podem nos permitir produzir mais por menos, aumentando a prosperidade nacional. Mas precisamos falar sobre quem se beneficia - e como os trabalhadores conseguem uma parcela justa".

Houve várias soluções diferentes delineadas em resposta a esse problema. Alguns argumentam que um imposto sobre os robôs é a melhor maneira de garantir que ninguém seja incapaz de se sustentar, enquanto outros sugerem que a renda básica universal se torne a norma.

A maior questão é a rapidez com que a automação será adotada. Se for um processo estável, será mais fácil relocar os trabalhadores humanos para outros papéis, para ajudar a tirar proveito do aumento da produtividade. Se for repentino, isso será muito mais difícil - e até 4 milhões de trabalhadores na Grã-Bretanha, e milhões de pessoas em todo o mundo, ficam amarrados a uma situação muito indesejável.


Fonte:  Science | The Guardian, RSA (tradução livre)

Recomendado para você

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Ótica Quântica: a realidade é o que você escolhe




Revista Science: Experimento quântico confirma que nós criamos a realidade
Artigo publicado na Revista Science, traduzido por Cristiano Nascimento*

Para testar a teoria quântica, os físicos usaram o Observatório de Laser Variável, localizado em Matera, no sul da Itália.

"Uma estranha experiência espacial confirmou que, como diz a mecânica quântica, a realidade é o que você escolhe. Os físicos sabem há muito tempo que um quantum de luz, ou fóton, se comporta como uma partícula ou uma onda dependendo de como eles a medem. Agora, ao invadir os fótons dos satélites, uma equipe confirmou que um observador pode tomar essa decisão, mesmo depois de um fóton ter feito seu caminho quase completamente através da experiência - aparentemente bem depois do ponto em que se tornaria uma onda ou uma partícula. Essas experiências de escolha retardada podem algum dia investigar a fronteira difusa entre a teoria quântica e a relatividade, dizem os pesquisadores.

Outros pesquisadores demonstraram o mesmo efeito contra-intuitivo no laboratório. Mas o novo trabalho mostra que a natureza de um fóton permanece indefinida até milhares de quilômetros, diz Philippe Grangier, físico do Instituto de Ótica de Palaiseau, na França, que colaborou em um teste anterior. "É uma experiência muito agradável que demonstra sua capacidade de fazer física quântica no espaço".

Um fóton pode atuar como uma partícula semelhante a uma bala ou onda ondulada - mas não ambas de uma vez - dependendo de como os experimentadores decidem medir. No final da década de 1970, o famoso teórico John Archibald Wheeler percebeu que os experimentadores poderiam até atrasar a escolha até o fóton ter feito seu caminho quase completamente através de um aparelho configurado para enfatizar uma propriedade ou outra, provando que o comportamento do fóton não é predeterminado.

Wheeler imaginou o envio de fótons um a cada vez através do chamado interferômetro Mach-Zehnder, o que acentua a natureza da onda da luz. Usando um "divisor de feixe" semelhante ao espelho, o interferômetro divide a onda quântica do fóton entrando pela metade e envia as duas ondas ao longo de caminhos diferentes, como pessoas caminhando em caminhos opostos ao redor do bloco. Um segundo divisor de feixe então recombina as ondas, que interferem entre si para derivar o fóton em direção a um dos dois detectores. O detector acionado depende da diferença nos comprimentos dos dois caminhos, conforme esperado para as ondas interferentes.

Remova o segundo divisor de feixe e a interferência torna-se impossível. Em vez disso, o primeiro divisor de feixe envia o fóton para baixo de um caminho ou o outro, como uma partícula. À medida que os caminhos cruzam onde o segundo divisor de feixe teria sido, os detectores clicam com iguais probabilidades, independentemente dos comprimentos dos caminhos. Wheeler percebeu que os experimentadores poderiam até esperar para remover o segundo divisor de feixe até que o fóton tivesse passado o primeiro divisor de feixe. Essa afirmação sugere, estranhamente, que uma decisão no presente determina um evento no passado: se o fóton se separou como uma onda ou tomou um caminho como uma partícula. A teoria quântica evita a questão assumindo que, até a medição, o fóton permanece tanto uma partícula como uma onda.

Agora, uma equipe liderada por Francesco Vedovato e Paolo Villoresi, da Universidade de Pádua, na Itália, realizou uma versão do experimento usando o telescópio de 1,5 metros no Matera Ranging Observatory, no sul da Itália para enviar fótons para satélites a milhares de quilômetros de distância. A tais distâncias, os físicos não conseguem fazer a luz tomar dois caminhos paralelos, observa Villoresi, à medida que os feixes de propagação se sobrepõem e se fundem. Em vez disso, eles enviam um fóton através de um interferômetro Mach-Zehnder na Terra que tem caminhos de comprimentos muito diferentes. A diferença nos comprimentos do caminho divide o pulso único em dois, separados no tempo por 3.5 nanosegundos, que o telescópio dispara para o céu.

Uma vez que os pulsos retornam, os experimentadores fazem que entrem de volta através do interferômetro. O aparelho pode desfazer o deslocamento do tempo, de modo que os dois impulsos se sobreponham e interfiram como ondas ou o dobrem para que não seja possível interferência. Claro, os físicos devem escolher o que acontece. Quando os pulsos primeiro deixam o interferômetro, eles têm polarizações diferentes. Para desfazer o deslocamento do tempo, os físicos devem primeiro usar uma polarização eletrônica muito rápida para mudar sua polarização de uma certa maneira. Para duplicar a mudança de tempo, eles simplesmente eles não mexem nas polarizações.

Quando os experimentadores fazem com que os pulsos se sobreponham, o fóton dispara um detector ou outro com uma probabilidade que depende da velocidade de recessão do satélite, conforme esperado para as ondas interferentes. Quando os pulsos não podem interferir, o fóton, como uma partícula, acaba em qualquer detector com uma probabilidade de 50-50, independentemente da velocidade do satélite. Crucialmente, os físicos escolhem qual medida fazer depois que a luz atravessa o satélite no meio de sua viagem de ida e volta de 10 milésimos de segundo, eles relataram no 25 de outubro na Science Advances. Mais uma vez, a decisão adiada parece voltar atrás no tempo, definindo como o fóton se comportou depois que deixou o primeiro divisor de feixe.

O experimento não é o teste mais rigoroso da idéia de Wheeler, observa Jean-François Roch, físico da École Normale Supérieure em Paris, que em 2007 conduziu um teste mais fiel. Por exemplo, para ver a luz em todas as distâncias tão longas, Villoresi e colegas devem disparar pulsos contendo muitos fótons, em vez dos fótons individuais especificados pela Wheeler. Ainda assim, Roch diz que o experimento é um exemplo notável de tirar a "ótica quântica" do laboratório e enviar ao espaço. Em maio, físicos na China usaram um satélite para estabelecer uma estranha conexão quântica chamada emaranhamento entre dois fótons enviados para cidades amplamente separadas.

Experimentos de escolha atrasada poderiam ajudar a investigar a fronteira entre a relatividade - o que exige que a causa preceda o efeito - e a teoria quântica, diz Roch. Mesmo que, estritamente falando, o efeito não viole a causalidade, ele ainda levanta uma tensão ao sugerir que uma medida no presente forma o que pode ser inferido sobre o passado. "Esta área onde você mistura mecânica quântica e relatividade ainda é relativamente inexplorada", diz Roch, "e esse é o tipo de experiência que aumentou a possibilidade de investigar a ligação entre os dois."

Fonte: *Ciência Repensada (reprodução)

Recomendado para você

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Desmistificando o Fim do Mundo: "O Apocalipse Escondido"



Texto de PAULO URBAN, publicado na Revista Planeta, edição nº 339*

...Vivemos o tempo insólito em que a humanidade ousou enfrentar seus deuses, e aprendeu segredos terríveis que, pouco a pouco, foram sendo subtraídos da mãe-natureza. Aonde chegaremos? Há de fato uma data apocalíptica, destinada a interromper a volúpia desenfreada da evolução da espécie humana?

O leitor bem se lembra de que muitos esperavam o fim do mundo para 11 de agosto de 1999. Coitado de Nostradamus, injustamente acusado de charlatanice por conta da frustração geral que se abateu sobre o planeta quando não houve fim algum! Analistas incautos das Profecias puseram na boca do sábio o vaticínio de que nesta data o mundo sofreria profundo abalo. 

Elegeram a fatídica quadra 72 de sua décima centúria como anúncio de inevitável cataclismo; astrólogos frisaram o perigo de certas conjunções para o momento, e toda a civilização ocidental foi instigada a preparar-se para o fim dos tempos. 

Outros intérpretes foram buscar no Apocalipse a confirmação para suas funestas teorias. Por fim, para eximirem-se da responsabilidade de ter sido aquele 11 de agosto menos grave que quaisquer das mais simples sextas-feiras 13, fizeram de Nostradamus bode expiatório para o erro de previsão; afinal, quem mandou ser ele assim tão hermético e complicado ao escrever?

Michel de Notredame (1503-1566)
Verdade é que prever o apocalipse já é tradição na humanidade, não importando época nem lugar para que o medo do fim sobrevenha, geralmente atrelado ao arquétipo das transformações súbitas, da renovação pela morte intempestiva. Nenhum exegeta bíblico, entretanto, por mais que se aprofunde no tema, consegue distinguir a raiz original destes mitos que pregam uma data para o descansar definitivo dos relógios, para o dia do Juízo Final, quando a humanidade será então julgada por suas atitudes.

As fontes bíblicas desta concepção apocalíptica são incertas. Sabe-se que na Antigüidade, quando o Antigo Testamento foi escrito, os profetas eram vistos como personificações do divino, o que lhes conferia poderes, por exemplo o de guiar espiritualmente seus povos e prever os seus desígnios. Suas palavras eram sempre revelações, e suas mensagens, advertências de Deus do gênero “arrependei-vos ou sereis punidos”, o que contribuiu para criar o mito da compensação divina para as injustiças praticadas entre os homens, em caráter individual e coletivo, ocasião em que o joio pode ser separado do trigo e almas puras encontram a salvação.

Há três apocalipses bíblicos. Os dois primeiros encontram-se no Antigo Testamento, são os livros de Ezequiel e Daniel, que respectivamente datam dos séc. VI e II a.C., historicamente situados em época de dominação dos judeus por povos inimigos, razão esta que fundamenta o sentido libertário destes textos, a prometer às almas dos subjugados o advento do messias portador da paz e da justiça que em toda vida nunca puderam experimentar. A passagem em Ezequiel aceita como uma antevisão do Armagedon (a batalha final entre Deus e o demônio, a luta derradeira entre o bem e o mal), possivelmente referia-se à tomada de Israel pelas hordas dos cifemos, considerados ímpios e cruéis, violadores dos mandamentos de Deus, que nunca souberam honrar seus pais nem seus casamentos.

Frontispício do Livro de Ezequiel,
Bíblia de Winchester, 1160-1170
Similarmente, o Apocalipse de João, no Novo Testamento, datado do século I d.C., foi compilado durante o período em que os cristãos da Ásia Menor sofriam torturas impostas pelos romanos. Em nossos dias, praticamente é consenso que o anticristo descrito por João seja uma alusão ao imperador romano Nero (37-68 d.C.), que incendiou Roma aos 27 anos de idade, e que, culpando os cristãos pelo sinistro, iniciou a primeira grande perseguição da história contra os mesmos. Nero terminaria por suicidar-se, aos 31 anos, enlouquecido, atirando-se sobre a lâmina de sua própria espada. Vários são os mitos, entretanto, que narram sua volta, ressurgido do mundo dos mortos com a missão de perseguir seus inimigos.

Cumpre dizer que os primeiros discípulos de Jesus também estavam seguros de que o Mestre voltaria após a ressurreição para a redenção final. Tal expectativa tanto garantiu a sobrevivência dos cristãos em tempos adversos de perseguição romana, como fez gerar toda uma teologia a alimentar a crença na salvação final das almas. Embora o próprio Cristo houvesse dito que ninguém saberia nem o dia nem a hora de seu retorno, nada impediu que a Igreja interpretasse os sinais para prever quando o advento se daria. Com base nisso foi que Montanus, profeta da Frígia, Ásia Menor, em 172 d.C., dizendo-se o Espírito Santo encarnado, anunciou que o Dia do Juízo estava próximo. Hipólito, teólogo romano, na passagem para o terceiro século previu, com base nas medidas da arca de Noé, que Jesus voltaria no ano 500 de nossa era!

Já no século IV, com a conversão de Constantino, a Igreja ficou melhor assentada sobre o Império Romano, e as profecias apocalípticas perderam um pouco sua função. O monge cristão Augustino, desta época, ainda que esperasse ele próprio pela volta do Cristo, advertia contra a fé cega em profecias que vulgarizavam a idéia do fim do mundo. Suas teses foram aceitas pela Igreja no Concílio de Éfeso, em 431, a partir do que as crenças apocalípticas arrefeceram-se um pouco.


Mas no ano de 960, Bernardo da Turíngia, antigo Estado germânico, afirmaria que no ano em que o dia da Anunciação da Virgem coincidisse com a Sexta-feira da Paixão, o mundo acabaria. A profecia perturbou de modo crescente a Europa até o ano de 992, quando ocorreu sem qualquer prejuízo o tal cruzamento. Já a passagem para o ano 1000 não causou maiores temores. Embora livros apócrifos tivessem espalhado a crença de que o Juízo ocorreria mil anos após o nascimento do Cristo, o fato é que a passagem de milênio se deu despercebidamente.

O milésimo ano, representado pelos romanos por um simples M, não parecia guardar qualquer significado cabalístico. Aliás, datas numéricas do calendário eram o que menos importava; a sociedade àquela época era regrada pelos dias santos, ritos e jejuns da Igreja, festas como a Páscoa, Pentecostes, Natal, etc… A idéia de que no 31 de dezembro de 999 a humanidade tenha temido histericamente por seu fim nada mais é que outra lenda, desta vez criada pelos escritores da França iluminista que tudo faziam para criticar a Igreja e seus costumes medievais.

No século XVI, novamente ganharam força algumas profecias fatalistas. Astrólogos ingleses previam a tragédia final para 1o de fevereiro de 1524. Milhares de londrinos abandonaram seus lares, mudando-se em polvorosa para terras mais altas, procurando assim escapar do fim do mundo. Como nada ocorreu, os videntes admitiram ter cometido pequeno erro de cálculo: o fim seria em 1624!

A Europa, dentre tantas profecias, aguardaria ainda pelo fim dos tempos em 1528 por conta de um dilúvio; esperaria pelo Cristo em 1533 conforme crença dos anabatistas; e deveria ter sido destruída por um impacto em 19 de maio de 1719, segundo previsão do francês Jacques Bernoilli em seu Tratado dos Cometas.


Cristóvão Colombo
Cristóvão Colombo (1451- 1506) também acreditava, conforme sua formação cabalista e templária, que o mundo acabaria em 1650. Delirantemente, dizia que a descoberta do Novo Mundo era peça de um plano maior destinado a nos levar às portas do Paraíso: “Deus fez de mim um mensageiro do novo céu e da nova Terra, dos quais Ele falou no Apocalipse de São João”, registrou em seu diário.

Fim dos mais curiosos, entretanto, foi previsto por Mary Bateman, taverneira em Leeds, Inglaterra. Em 1806 mostrou a seus clientes um ovo de galinha cuja casca trazia a inscrição: “Cristo voltará”. Logo sua galinha botou outro ovo com igual inscrição, o que causou rebuliço no local. Mary disse então ter recebido uma revelação de Deus e cobrou 1 penny dos presentes para que pudessem ouvi-la. Todos pagaram. Contou então que tão logo o 12° ovo igual aqueles fosse botado, o mundo acabaria. Até lá, somente os que comprassem por 1 xelim um papel timbrado que ela preparava com as iniciais J.C. entrariam no reino de Deus. De novo pagaram pelo documento, e a notícia se espalhou pela cidade. Mary vendeu centenas de passaportes para o céu. No dia em que o último ovo seria botado, autoridades religiosas a flagraram fraudando previamente a mágica que se repetiria. Mary Bateman acabou sendo presa e enforcada.

Nomes de peso também se entretiveram com o tema do Juízo. O filósofo alquimista John Dee (1527-1608), por exemplo, acreditava piamente que o fim da Europa se daria no ano de 1842. No final do século XIX, intérpretes matemáticos juravam ler as profecias veladas nas medidas da pirâmide de Queóps, e atestaram que o mundo terminaria em 1881. A data foi depois corrigida para 1936, e quando de novo não se deu o vaticínio, o fim do mundo ficou postergado para 1953. Antes disso, em 1910, registrara-se o pandemônio da passagem do cometa de Halley, quando boatos científicos afirmavam que os gases tóxicos da cauda do cometa matariam por asfixia a população do planeta. Tal idéia fora lançada em 1839 pelo escritor norte-americano Edgar Allan Poe (1809-1849) num romance de ficção intitulado Conversa de Eiros com Charmion, que alcançou grande repercussão.

A total destruição da Terra era por muitos temida por ocasião da passagem…


…do Cometa de Halley, em 1910, cuja cauda envolveria nosso planeta com seus gases tóxicos e mortais.


Nosso século igualmente assistiu a inúmeras promessas apocalípticas afiançadas por várias seitas fatalistas. Exemplo ainda recente são os 911 mortos do suicídio em massa ocorrido em novembro de 1978 em Jonestown, Guiana Inglesa, onde o reverendo Jim Jones, 47 anos, suicidou-se com um tiro na testa após servir veneno a seus seguidores, que o sorveram certos de que assim estariam encontrando o Paraíso. Em 1997, a seita Portal do Paraíso promoveu suicídio coletivo semelhante numa mansão da Califórnia. Os fanáticos religiosos propuseram-se a morrer em momento precisamente oportuno, durante a passagem de um cometa pela órbita da Terra, de modo que suas almas pegassem carona na cauda do astro errante, rumo ao Paraíso.

Além do que pregam as seitas apocalípticas, certezas científicas fazem ver que, como tudo no Universo, também nosso sistema solar tem seu ciclo de nascimento, desenvolvimento e envelhecimento, seguido de morte. Ora, o Sol, crêem os cientistas, tem 5 bilhões de anos de existência, e deverá queimar ainda por outro tanto. Muito antes disso, porém, a vida no planeta Terra já não mais será possível, já que o astro-rei, desgastado, não poderá aquecer a Terra a ponto de garantir a vida orgânica em sua superfície. 

Também sabemos que, paradoxalmente, o último bilhão de anos de vida do Sol será o seu período de maiores explosões, gerador de um calor devastador, capaz de cozinhar nosso planeta e evaporar os oceanos. Além disso, pode o Sol a qualquer momento expelir uma protuberância gigante capaz de varrer a Terra com seus raios cósmicos. Uma explosão solar extraordinária poderia ser intensa a ponto de produzir radiações nocivas à vida, e induzir a mutações genéticas capazes de decretar o fim de nossa espécie.

Terra sendo atingida por meteoro / Getty Images
Chances de colisão com algum bólido que penetre em nossa órbita também existem. Embora remota esta chance, acredita-se que fenômeno semelhante tenha extinguido os dinossauros há 65 milhões de anos, já que o impacto teria levantado por anos a fio uma nuvem de poeira em torno da Terra, obstruindo a luz do Sol e resfriando o planeta. Ainda que a possibilidade de isso se repetir seja a de uma em 400 milhões, a NASA prefere manter um programa com astrônomos amadores distribuídos pelo mundo todo na tarefa de patrulhar o céu. Nossa tecnologia já permite explodir tais corpos a uma distância segura.

Mas se estas teorias parecem remotas demais para trazer à tona a realidade de nossa breve existência, por que não falarmos um pouco acerca das possibilidades reais, que estão ao nosso alcance, capazes de acabar com a vida no planeta? É por estupidez de nossa parte que a Terra corre seus maiores riscos! Isto porque o planeta sobre o qual vivemos é também efêmero. Da mesma forma que tudo no Universo se transforma, tudo no sistema solar é finito. E vivemos nos esquecendo de que a Terra ela própria não passa de friável grão de poeira galáctica, um pontinho virtual do Universo, que durante bilhões de anos se esfriou a ponto de permitir agasalhar a vida orgânica...


Entretanto, quanto mais segue inconsciente de si mesma, menos a humanidade presume que seu fim possa estar próximo, e comete atos impensados, vergonhosos, capazes de comprometer as gerações vindouras. Citemos três dados de relevância: (2000)

1°. A região Ártica tem recebido violentos golpes devido ao processo de degelo. Barreiras polares vêm se soltando e produzindo novos icebergs. Tais plataformas polares são imprescindíveis, servem como sorvedouro do calor terrestre, e colaboram para o equilíbrio térmico atmosférico.

. O salmão está morrendo no Pacífico Norte. Na Baía de Bristol, uma de suas maiores áreas pesqueiras, sua pesca foi metade do esperado em 1998, a menor nos últimos 20 anos.

. Os recifes de coral do Oceano Índico estão se desfazendo; 90% deles já foram branqueados devido à morte das algas que lhes servem de alimento e lhes conferem sua cor.

O que está por trás de tudo isso? Evidentemente é o processo de aquecimento gradativo de nossa temperatura, o chamado efeito estufa. O 1° trimestre de 1998 foi o mais quente já registrado no mundo, confirma o Centro Hadley de Londres, que desde 1860 faz estas medições. Conclui que desde 1983 ocorreram nove dos dez anos mais quentes, e que a temperatura média do planeta tende a subir mais 1,5°C até 2050.

Em 1997 realizou-se a Conferência Mundial do Clima de Kyoto, Japão, para que os 169 países participantes se comprometessem a controlar suas emissões de CO2, gás implicado no aquecimento da atmosfera. Paradoxalmente, o mesmo carbono que se constitui em matéria-prima para a vida orgânica é o elemento capaz de se comportar feito cavaleiro do apocalipse, já que traz em si o potencial para o extermínio completo da vida no planeta, bastando para tanto que se rompa seu equilíbrio em proporção aos demais gases existentes em nossa atmosfera. 

Isto quer dizer: somos habitantes de um grãozinho de areia, e vivemos protegidos por fina redoma de gases, tão resistente em termos astronômicos quanto uma bolha de sabão! Para mantermos o CO2 em níveis aceitáveis na atmosfera, sem prejuízo para o planeta, seria preciso diminuir imediatamente sua emissão em 60%! 

Mas as nações não estão dando ouvidos a isso. Com o aquecimento da atmosfera e o degelo daí decorrente, vários países litorâneos correm risco de invasão pelas águas do mar, alguns dos quais, deverão desaparecer, submersos. Espera-se ainda que ocorra a salinização de grande parte da água do planeta, contaminando-a, tornando este recurso vital ainda mais escasso do que já é.

Fiquemos por aqui! Poderíamos citar inúmeros outros riscos que nos assombram nesta virada de milênio, mas o desequilíbrio ecológico decorrente do efeito estufa é o melhor exemplo de como a humanidade segue levianamente seu caminho, não pensando no amanhã. Tecnologicamente, vamos avançando brilhantemente a cada dia, mas insistimos em esquecer o mais simples, que é cuidar da própria casa.

A propósito, a palavra apocalipse vem do grego e significa “revelar, descobrir”. Algo bem distante da idéia de fim dos tempos ou fatalidade. Por isso o Apocalipse é também chamado de “Livro das Revelações”. Fica uma lição: caso não aprendamos a nos conhecer melhor e mais profundamente a cada dia, corremos o risco de manter nosso apocalipse escondido, guardado feito potência não aproveitada. 

Não deveríamos estar responsabilizando Nostradamus pelos excessos de nosso comportamento. Se há salvação, ela é fruto de uma conscientização ecológica associada à busca por uma espiritualidade compromissada com os destinos do planeta. E se as futuras gerações pudessem ser incluídas em nossos pensamentos tudo seria bem melhor. A pequenez humana, porém, não está acostumada a pensar no tempo que ultrapasse a brevidade de uma existência.

É possível sobreviver em meio a tantos sinais concretos de fins dos tempos? Tudo depende; afinal, de nossa harmonia pessoal resulta a harmonia ecológica do planeta. Decerto há um apocalipse escondido dentro de nós mesmos. Nossa missão é desvendá-lo!

Fonte: * Amigo da Alma / O APOCALIPSE ESCONDIDO (reprodução)

Recomendado para você

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Como será um mundo suprido por computadores quânticos?




Além da ficção científica - Veja como irá parecer um mundo alimentado por Computadores Quânticos 

Em 1935, Albert Einstein colaborou com os físicos Boris Podolsky e Nathan Rosen em um documento desenhado para iluminar as fraquezas da mecânica quântica, um ramo da física focado no muito pequeno. 

Embora o fenômeno do "emaranhamento" fosse tão novo, o termo ainda não havia sido inventado, Einstein não perdeu tempo expressando seu ceticismo, dizendo ser a "ação assustadora à distância" simplesmente impossível.

Quase um século depois, agora temos abundante prova de que o emaranhamento é possível. Na verdade, estamos agora à beira da construção de computadores quânticos que nos permitirão usar o fenômeno para responder algumas das maiores questões da humanidade.


Os Computadores Quânticos manipulam e processam informações de maneira muito diferente daquela utilizada pelos computadores tradicionais. Enquanto um computador comum funciona com bits como alocadores de informação, um computador quântico funciona com bits quânticos (qubits). Enquanto os bits carregam informações em um código binário 0 ou 1, os qubits podem ser 0s e 1s ao mesmo tempo, graças à superposição quântica.

O emaranhamento permite ainda que as partículas sejam manipuladas apesar da distância entre elas - tudo o que acontecer com uma partícula será instantaneamente refletida no outra. As informações podem, portanto, ser enviadas em distâncias maiores muito mais rapidamente do que com os computadores clássicos.


Embora o campo da computação quântica ainda esteja em seus estágios iniciais e extremamente complicados; os pesquisadores fizeram avanços significativos, nos últimos anos, no desenvolvimento dos computadores quânticos hoje em operação. Eles encontraram maneiras de sustentar por mais tempo a vida dos qubits, para aumentar a duração do tempo em que a informação pode ser contida em um sistema quântico. De acordo com especialistas, computadores quânticos funcionais provavelmente estarão disponíveis nas próximas décadas.

"Ninguém mais está dizendo 'jamais'", disse Scott Totzke, executivo-chefe da empresa canadense Isara Corp., ao The Wall Street Journal. "Estamos nos muito, muito primeiros dias, mas estamos bem além do ponto da ficção científica".

Então, o que podemos esperar do futuro da computação quântica?

A vida com computadores Quânticos

Os computadores quânticos serão capazes de realizar cálculos muito mais complicados do que computadores clássicos e, de acordo com William Hurley, presidente do Grupo de Trabalho de Padrões de Computação Quântica do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE), as implicações disso serão tremendas.


Hurley comentou sobre o assunto em um e-mail para o site Futurism:
É minha convicção pessoal de que a computação quântica nos ajudará a entender o dilúvio de dados que nos encontramos criando para resolver alguns problemas muito interessantes. Existem sistemas gerando bilhões de conjuntos de dados por dia, e esses podem ser a solução para alguns problemas críticos que afetam a sociedade, mas não temos possibilidade de começar a [trabalhar] através de [todos os dados]. Para mim, isso é extremamente emocionante.
Em suma, o futuro da computação quântica nos verá resolver algumas das questões mais complexas que o mundo enfrenta hoje e não apenas em campos como física ou ciência.

"Eu acho que há uma grande oportunidade para a computação quântica criar uma disruptura em uma série de indústrias", disse Hurley. "No entanto, acredito que as indústrias financeira, farmacêutica e de segurança verão a maior mudança no menor período de tempo".


Enquanto alguns especialistas advertiram que esse poder poderia ser usado para fins nefastos, Hurley acredita que o bem superará o mal:
Sempre haverá razões para moderar nosso otimismo em torno de qualquer novo avanço tecnológico. Ainda assim, estou incrivelmente entusiasmado com os resultados positivos potenciais da computação quântica. De encontrar novas curas para doenças para ajudar a descobrir novas partículas, acho que esta é a coisa mais excitante em que eu estive em toda a minha carreira. Devemos concentrar nossa energia tanto nos atuais resultados positivos como também nos negativos.
Um novo tipo de internet

As chamadas comunicações quânticas são uma das aplicações mais interessantes planejadas para o futuro da computação quântica.

Pesquisadores da China e em outras partes do mundo começaram a explorar o potencial de construir redes quânticas usando os mesmos princípios que explicam a computação quântica. A criação dessas redes acabaria por abrir a porta para uma internet quântica, um sistema de comunicação mais seguro em que a informação é armazenada e transmitida com criptografia avançada. Essa rede, no entanto, não poderia se realizar verdadeiramente até que os computadores quânticos se tornem escaláveis, o que os leitores do Futurism acham que acontecerá antes de 2050.

Os pesquisadores tem criado computadores quânticos, mas todos eles são muito grandes e só funcionam em ambientes especializados. Portanto, o futuro da computação quântica pode incluir a adoção de alternativas aos sistemas atualmente criados em laboratórios de ponta.

O caminho a seguir pode ser através da criação de chips de computador especializados capazes de funcionar como computadores quânticos, mas sem os componentes de última geração que esses sistemas exigem. A revolução da computação quântica também pode começar com a pessoa média acessando um computador quântico através de um serviço na nuvem, como a IBM e o Google criaram.

"Eu acho que você vai ver a disponibilidade geral de simuladores e emuladores que são úteis nos próximos 24 meses", disse Hurley. Ainda assim, esses sistemas seriam apenas um espaço reservado para o negócio real, que ele vê chegando em um futuro não tão distante: "Eu adoraria ver um computador quântico universal disponível apenas daqui três a cinco anos e eu acredito que isso pode ser possível ".

Autor: Dom Galeon e Kristin Houser
Referências: WSJ, Superposição, Bytes Foss, IEEE Spectrum
Fonte: Futurism - Here’s What a World Powered by Quantum Computers Will Look Like - tradução livre

Recomendado para você

domingo, 29 de outubro de 2017

Ciência pode comprovar existência da Alma




Cientistas dizem poder provar a existência da Alma. Segundo a teoria, a alma está contida em estruturas denominadas microtúbulos, localizadas nas células cerebrais. Para isso eles usam uma teoria quântica da consciência.

Stuart Hameroff, do Centro de Estudos de Consciência da Universidade do Arizona, e Sir Roger Penrose, da Universidade de Oxford, trabalham, desde 1996, em uma teoria quântica da consciência, segundo a qual a alma está contida em estruturas denominadas microtúbulos, localizadas nas células cerebrais.

A ideia vem do pressuposto de que o cérebro é um computador biológico, com cem trilhões de neurônios, cujas conexões sinápticas atuam como redes de informação”, afirmam os especialistas, que dizem também que a experiência humana é o resultado dos efeitos da gravidade quântica sobre os microtúbulos, em um processo denominado “redução objetiva orquestrada” (Orch-Or, na sigla em inglês).

Embora seja de consenso científico que a consciência tenha surgido como uma propriedade evolutiva dos organismos biológicos, a teoria Orch-Or afirma que ela é, na realidade, uma característica intrínseca da ação de um universo não computável.

Em uma experiência próxima à morte, por exemplo, os microtúbulos perdem seu estado quântico mas a informação dentro deles não é destruída. Isso significa que, em termos compreensíveis, a alma não morre, mas retorna ao universo”, afirmam os cientistas. 

Além disso, eles argumentam que, no momento da morte, “o coração deixa de bater, o sangue deixa de fluir e os microtóbulos perdem seu estado quântico. A informação quântica nos microtúbulos não é destruída; ela não pode ser destruída; simplesmente é distribuída e se dissipa pelo Universo”.

Fonte: History


Recomendado para você

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Biologia Sintética: "Imprimindo" o DNA



Os Humanos Podem Agora "Imprimir" o Código Genético e a Engenharia da Vida - Nós aprendemos a manipular o código da vida.

Biologia sintética é um campo multidisciplinar que muitas vezes desafia sua própria definição. No entanto, apesar da sua complexidade, é um campo extremamente fácil uma vez que você tenha aprendido a ciência por trás disso. Então, a partir de um computador, você pode inserir a seqüência genética desejada, imprimi-la, juntá-la, colocá-la em uma célula e, em seguida, ver o que acabou de criar.


Ainda mais surpreendentemente é que essa nova tecnologia também nos ajudou a encontrar melhores conhecimentos sobre como a vida na Terra começou, respondendo questões que estão conosco desde o início. Razão suficiente para aprender um pouco mais sobre o tema.


O Futuro da Vida

A quantidade de pessoas e dinheiro que flui neste campo está crescendo incrivelmente rápido. Isso está sendo acelerado pelo surgimento da biologia DIY (biologia de garagem). Os laboratórios estão surgindo em todo o mundo, pois as ferramentas necessárias são cada vez mais baratas e mais onipresentes. Agora, quase qualquer pessoa, com uma compreensão suficientemente decente a respeito do assunto, pode construir seu próprio laboratório de biologia sintética e começar a piratear a vida.


Recentemente também foram descobertas novas plataformas que nos permitirão fazer coisas que nunca tínhamos sonhado. Toda a vida que conhecemos é feita a partir de DNA contendo principalmente quatro bases: A, C, T e G. Agora nós adicionamos X e Y, abrindo a porta para que possamos criar coisas nunca antes consideradas possíveis. 

Já podemos ver o que essa revolução pode fazer. Carne cultivada em laboratório, desextinção, novos produtos bioquímicos e medicamentos, a lista continua... Em pouco tempo, acredita-se que seremos capazes de recriar sinteticamente seres humanos .

Nós estamos alterando os genomas de várias espécies desde a revolução agrícola, a diferença agora está em nossa capacidade de selecionar linhas específicas do código da vida e trocá-las ou excluí-las ou colocar novas linhas. Isso terá uma ampla gama de implicações à medida que aprendemos mais sobre os papéis de genes específicos, ao mesmo tempo que nos permitem direcionar e acelerar a evolução.

(Micróbios fluorescentes cultivados pelo Dr. Scott Pownall na Open Science Network,
ele tirou os genes da água-viva brilhante e os inseriu nas células de Escherichia coli).
O século 20 viu uma série de avanços na nossa compreensão da Física que redefiniu o que fomos capazes de fazer. Isso provocou a era atômica, nos permitiu explorar nosso sistema solar e tornou acessíveis insights sobre o universo que mudaram profundamente nossa compreensão da realidade.

A biologia parece estar experimentando uma mudança de paradigma semelhante. Isso nos permite manipular os blocos de construção da vida e redefinir o mundo natural, o que alterará radicalmente nosso destino coletivo.


Fonte: Futurism - tradução livre

Recomendado para você

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...