quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Despertando para a Religião do Futuro

A religião do futuro será cósmica e transcenderá um Deus pessoal, evitando os dogmas e a teologia ~Albert Einstein
O mundo continua em guerra... Muita gente pensa que vivemos em tempos de paz, entretanto a verdade não é essa. Vemos todos os dias, na mídia de massa e através da Internet, uma série de informações sobre conflitos que acontecem ao redor do Planeta.
A maioria destes combates toscos e sangrentos, entre seres humanos, acontece ou por causa de religião, dinheiro ou autoritarismo. Acho que tudo bem não suportar um regime autoritário; imposto por um rei ou ditador, no qual não há democracia, liberdade, entretanto brigar por causa de dinheiro ou de religião, isso não consigo entender, não há lógica aí.
Como guerreiros de luz, que usam sua energia, magnetismo pessoal, amor e conhecimento, sabedoria para iluminar onde há trevas, não podemos aceitar guerras fúteis. Devemos buscar a felicidade, não nas coisas fúteis, efêmeras, propagadas pela armadilha do hedonismo. A felicidade está nas coisas simples da vida, e isso não é apenas mais um clichê, é uma grande verdade. Todos nós andamos tão absorvidos pelas obrigações materiais, as quais nos são impostas, que acabamos esquecendo-se de nós mesmos.
A religião - todas, sem excluir uma só que seja - exerce uma influência muito positiva no resgate das pessoas, aos valores éticos e morais elevados, que parecem estar adormecidos dentro da maioria das pessoas. Quem sabe este torpor da moral e da ética ocorra por algum problema ambiental, pode ser culpa do meio ambiente insalubre, insustentável, no qual nossa sociedade está baseada. Convivemos com toda espécie de miséria humana e nos preocupamos individualmente, esquecendo o coletivo, estará certo isso?
Até certo ponto sim, está certo dirigirmos nossos esforços a nós mesmos, pois a vida é um espelhamento de nós mesmos, é a vibração que está ao nosso redor. Não sei você, mas eu acredito que a única maneira de libertar o mundo é antes libertar-se.
Cada indivíduo deve parar por um instante, analisar o cenário amplamente e, após refletir, concluir quais fatores são responsáveis pela criação desse meio de vida infeliz, insalubre e insustentável em que maior parte da sociedade se encontra inserida.
Onde estão os valores éticos e morais da nossa sociedade? Será verdade mesmo que a resposta às necessidades humanas se reduziu apenas ao consumo, ao poder de compra ou de barganha?
Não precisa ser crente pra ter moral, ninguém tem que ser beatificado pra comprovar que o modo certo de agir é aquele sustentado pela ética, que deve nos acompanhar em tudo na vida. Se os filhos precisam de pais, pense bem, além de precisarmos todos de Deus, neste mundo todos precisam uns dos outros, afinal tudo o que acontece é resultado das ações deste grande grupo de seres humanos interconectados, ao qual damos o nome de sociedade.
Libertar-nos uns aos outros é importante, é questão de irmandade, compaixão, caridade. Quanto maior, mais elevado o nível de sua consciência, maior sua responsabilidade para com o próximo. Libertar-nos dos produtos materiais da sociedade de consumo, é um passo importantíssimo. Não que você tenha que ignorar bens materiais, entretanto todos devem ter a consciência que se uma pessoa possuí um luxuoso e exclusivo carro esporte, muito provavelmente, além do preço alto em dinheiro, existe aí outro custo embutido. Para um ter luxo, como os recursos de nosso Planeta são limitados, outro terá que ter lixo.
Todos têm o direito de viver bem, com qualidade de vida, este direito é comum e inalienável. A riqueza contida neste mundo é herança comum de cada um de seus habitantes e deve ser compartilhada irmanamente por todos. Claro que a individualidade, opinião, idéias e princípios de cada ser, devem merecer o respeito de todos, principalmente no que tange a liberdade de opção pessoal, seja ela qual for, desde que se saiba de partida, que tudo tem seu preço ou paga. Ganhos individuais, que proporcionem certo grau de enriquecimento, também não causariam estragos sociais, fazendo falta a outrem, não fosse a cobiça, a ganância.
Existe época de plantio e de colheita, este é o trabalho que deve ser realizado em grupo, para que seus frutos possam ser distribuídos de forma mais justa, igualitária. Cada um tem um talento, um ofício inerente, no qual é bom porque gosta de fazer aquilo. Nossa vocação deve contribuir com o meio em que vivemos. Chega de guerras, de disputas vazias, ainda temos na Terra recursos suficiente para todos, desde que também se deixe a hipocrisia e a religiosidade cega apartadas, para que possamos crescer de maneira sustentável.
Para crescer com sustentabilidade, pouco se fala, mas a verdade é que o controle de natalidade é essencial. A visão deve ser ampla, quando paramos para observar, pensar e tira conclusões, devemos fazer isto de uma forma que nos permita enxergar sem tampão, viseira, tala ou cabresto que nos tire a visão periférica, quase nos cegando. A visão periférica, ou seja, enxergar ao redor, é essencial àqueles que pleiteiam mais liberdade.
O dia em que deixarmos de nos cercear, esconder, pertencer ou fazer parte desta ou daquela religião, deste ou daquele partido político, de um ou de outro time... Quando esquecermos o conceito tolo de que para ser o bom é preciso ser o primeiro em tudo, o número um... Quando o conceito bestial, de que se deve tirar proveito e vantagem em tudo, deixar de existir, então deixaremos de sonhar e estaremos despertos à vida real, no mundo real, não no mundo de sonhos e utopias inatingíveis no qual vivemos hoje. Este dia - que um dia há de chegar - trará a verdadeira paz ao mundo. Será a vitória final da humanidade às injustiças sociais e seus frutos malditos, é a receita de felicidade estável e duradoura à raça humana.
Quando acabar o conceito de competição, coisa odiosa que nasceu com os grandes impérios, naturalmente colaboração é o que teremos. Vivemos em uma ilha, que vaga em velocidade vertiginosa, meio a um cosmo inabitável à vida biológica. Mesmo que um dia encontremos outro Planeta habitável, é muito provável que não vamos conseguir chegar até ele. Devemos cuidar da Terra, pois ela é nosso lar, bem como de todas as gerações que ainda estão por vir.
Só uma sociedade colaborativa terá sucesso e nos dará a chance de um futuro, a todos nós, que somos tod@s crianças, filhos e filhas de Deus, eternos aprendizes. As diferenças são apenas superficiais, somos todos irmãos e irmãs. O Deus é um só!
Caiam todas as barreiras, sejam elas culturais, lingüísticas, religiosas, ou da espécie que forem, caiam! Tremam e vão abaixo todos os impérios, ditadores, regimes autoritários, mentalidade escravagista, preconceitos... Que todos os paradigmas que não nos servem mais sejam quebrados de vez, e seus cacos esquecidos.
Juntos, somos o que somos, somos UM. Dê ciência a sua consciência, os acontecimentos mostram que o tempo é do despertar. Acredite, acorde!

Um comentário:

Anônimo disse...

Coisas que a vida ensina depois dos 40 :
->Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
->Água é um santo remédio.
->A música é a sobremesa da vida.
->Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente
->Filhos são presentes raros!
->De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças a cerca de suas ações.

(Arthur da Távola)

Parabéns, belo texto!