terça-feira, 2 de agosto de 2011

A Bíblia: História ou Mito?




por Jeffrey Small, autor de 'The Breath of God'
post traduido por Ronald S Stresser Jr - sin permiso - de HUFFPOST RELIGION

Quando você ouve a palavra "mito" associado à Bíblia, qual é o primeiro pensamento que vem à sua mente?

Muitos usam o termo "mito" num sentido pejorativo, para dar significado de que as histórias descritas não são factualmente verdadeiras. Outros definem o mito nos contos não-históricos, que contém uma mensagem moral. Ambas estas definições perdem na riqueza do termo. Mitologia é uma forma de literatura que expressa verdades fundamentais, de uma forma que o discurso ordinário é inadequado à descrição.

As histórias que compõem os mitos são muitas vezes ancoradas em uma realidade histórica, mas isso não precisa ser assim. A mitologia acrescenta uma riqueza de detalhes e uma concretude à linguagem metafórica. A leitura de histórias bíblicas, como mitologia, me dá a liberdade de compreender o seu significado subjacente, de uma maneira diferente,de uma maneira que eu nunca fiz quando eu era ensinado quando criança, que essas histórias eram factualmente verdadeiras.

Por que a maioria dos estudiosos modernos rejeita a leitura da Bíblia como história, e muito menos como um fato literal?

1. Em uma era de ciência e tecnologia, muito da Bíblia é simplesmente, hoje, inacreditável à mente, e deixa as pessoas distantes das mensagens subjacentes. Do ponto de vista científico, muitos dos "fatos" da Bíblia estão simplesmente errados. Um dos muitos exemplos: de acordo com Gênesis, o universo tem um pouco mais de 6.000 anos de idade. Segundo a física, o Big Bang ocorreu 13,7 bilhões de anos atrás.

2. Muitas das histórias também são cientificamente impossíveis, como o conto de Josué fazer o sol parar de se mover no céu. Esta história assume - como era o pensamento então - que a Terra era plana e era o centro do universo. Nós simplesmente sabemos que isso é falso. Segundo, para o sol parar significaria a terra deixar de girar sobre seu eixo - um evento que destruiria o planeta.

3. Para muitas das histórias de milagres, existem explicações naturais. Os autores destas histórias vividas numa época em que as pessoas acreditavam que os eclipses solares eram presságios divinos, a doença era castigo divino, e que a doença mental era causada por possessão demoníaca. No caso de Jesus, a cura era uma parte importante de seu ministério. No entanto, hoje podemos encontrar curandeiros no Haiti, praticantes do voodoo e de bruxaria na África tribal. Muitos desses curandeiros modernos tem fé de que os pacientes são realmente curados por estas práticas. Os médicos chamam isso de efeito placebo, um efeito tão poderoso que as drogas devem ser submetidas a experimentos de duplo cego.

4. Algumas das histórias mitológicas na Bíblia não são originais, mas foram emprestados de outras tradições. O Épico de Gilgamesh - um poema sumério detalhando a criação do universo, que antecede os escritos do Gênesis por muitos séculos - contém uma história cujo enredo, e pontos de inundação, são quase idênticos a história de Noé.

5. As outras religiões do mundo também contem histórias ricas em mitologia e histórias que soam - para nós - fantásticas. Em que base podem os cristãos afirmar que essas histórias de milagre são legítimas, que não são vôos da fantasia deles? A mitologia em torno de Buda, que viveu 500 anos antes de Jesus, inclui contos de como ele curou os doentes, andou sobre a água, e voou através do ar. Seu nascimento foi predito por um espírito (um elefante branco, em vez do anjo Gabriel), que entrou no ventre de sua mãe! 


Com o seu nascimento, sábios previram que ele iria se tornar um grande líder religioso. Os estudiosos do século XX, Mircea Eliade e Joseph Campbell, escreveram que estes arquétipos e mitos religiosos são encontrados em diferentes culturas, histórias e religiões. Exemplos incluem a Árvore Cósmica, o nascimento virginal e a ressurreição.

6. A própria Bíblia está cheia de inconsistências. Como pode ser um documento histórico preciso, quando vários livros contradizem uns aos outros? Aqui fala Bart Ehrman, professor de Estudos Religiosos da UNC (University of North Carolina):

"Basta pegarmos a morte de Jesus. Em que dia Jesus morreu, e a que hora do dia? Ele morreu no dia antes da refeição da Páscoa, foi comido, como João diz explicitamente, ou ele morreu depois de ser comido, como Marcos explicitamente diz? Ele morreu ao meio-dia, como em João, ou às 9 horas, como em Marcos? Jesus a carregou a cruz o caminho todo, ele mesmo, ou Simão de Cirene carregou a cruz? Depende do evangelho que você lê. Os dois ladrões zombaram Jesus na cruz ou apenas um deles zombou e o outro veio em sua defesa? Depende do evangelho que você lê. Será que o véu do templo se rasgou ao meio antes de Jesus morrer ou depois que ele morreu? Depende do evangelho que você lê ... Ou levando em conta a ressurreição. Quem foi ao sepulcro no terceiro dia? Foi Maria sozinha ou era Maria com outras mulheres? Se fosse Maria com outras mulheres, como muitas outras mulheres estavam lá, quais eram elas, e quais eram seus nomes? Foi a pedra removida antes de chegarem lá ou não? O que elas viram no sepulcro? Elas viram um homem, viram dois homens, ou viram um anjo? Depende qual depoimento você lê."

7. Ler a Bíblia como um relato histórico literal, de eventos do passado, vai além dos limites do poder dessas histórias. Em vez de expressar verdades universais, uma interpretação literal limita as ações de Deus para determinados eventos na história. As ações de Deus no mundo se tornam finitas, limitado a certos eventos históricos: como o mestre de xadrez fazendo movimentos individuais em um tabuleiro de xadrez congelado no tempo dois mil anos atrás. Lendo estas mesmas histórias mitologicamente, no entanto, podemos resgatar suas qualidades universais.

8. Uma leitura literal da Bíblia aliena-se demais de nossa sociedade. As histórias foram escritas em uma época diferente, com visões diferentes sobre justiça social - uma época em que a escravidão era legítima, uma idade em que a discriminação de gênero, raça, etnia e orientação sexual era a norma. Muitas vezes por causa desta história, a Bíblia é usada para justificar a intolerância hoje.

Ler a Bíblia como mitologia não é um conceito novo. Dois dos Padres da Igreja primitiva, Orígenes (185-254 d.C) e Agostinho (354-430 d.C), interpretam a Genesis metaforicamente, rejeitando as interpretações literais. No início do século 20, o teólogo alemão Rudolf Bultmann defendeu uma "desmistificação" do Novo Testamento, por muitas das razões enumeradas acima. Ao contrário, o movimento em muitos círculos fundamentalistas hoje é para ler a Bíblia como inerrante (uma forma extrema de literalismo, no qual cada palavra da Bíblia é vista como verdadeira), um desenvolvimento tardio do século 19, como uma resposta ao desgaste na historicidade das histórias, desde o Iluminismo.

Temo que a insistência em uma leitura literal ou histórica da Bíblia acabará por levar à irrelevancia do cristianismo na nossa sociedade. Rompendo os grilhões de ter que acreditar na historicidade da Bíblia, somos livres para interpretar as histórias como um testemunho da experiência religiosa, de pessoas de uma época diferente - um testemunho que comunica um significado sobre suas experiências da Última Realidade, de Deus. Entendo que as suas experiencias do fundamento divino, em suas vidas, foram interpretados através da lente de uma visão pré-moderna do mundo, e minhas próprias experiências religiosas assumirão uma forma diferente da de hoje.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...